Dólar sobe ante real após cancelamento de audiência de Ilan e com dados dos EUA

terça-feira, 23 de agosto de 2016 12:52 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar firmou-se em alta frente ao real nesta terça-feira, após passar boa parte da manhã em queda, com investidores comprando divisas após o cancelamento de audiência pública com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, no Senado Federal e reagindo a dados fortes sobre a economia norte-americana, que poderiam aumentar chances de um aumento de juros neste ano.

A cautela vem predominando desde a sessão passada, com operadores evitando grandes apostas antes do início do julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, na quinta-feira, e do discurso da chair do Federal Reserve, banco central norte-americano, Janet Yellen, na sexta-feira.

Às 12:34, o dólar avançava 0,21 por cento, a 3,2081 reais na venda, após chegar a 3,2149 reais na máxima e a 3,1849 reais na mínima do dia. O dólar futuro subia cerca de 0,10 por cento nesta manhã.

"(O cancelamento) coloca um pouco mais de ruído no mercado, que já ficou um pouco desconfortável com os dados dos EUA de manhã", disse o operador de um banco internacional, sob condição de anonimato.

Segundo a presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR), a audiência pública com Ilan pode ser remarcada para o dia 6 ou 13 de setembro. Ela foi desmarcada nesta manhã por conta da sessão conjunta do Congresso Nacional.

Investidores esperavam obter novas pistas sobre as intenções do BC no mercado de câmbio, após declarações do presidente interino Michel Temer gerarem alguma confusão sobre se a instituição vai agir para evitar quedas mais fortes do dólar.

Nesta manhã, o BC vendeu novamente 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, mantendo o ritmo mais lento de intervenções. A autoridade monetária chegou a vender 15 mil swaps reversos por dia entre 11 e 18 deste mês.

O cancelamento da audiência levou o mercado local a se alinhar com os mercados externos. Apesar da alta dos preços do petróleo, o dólar se fortalecia levemente em relação às principais moedas emergentes após as vendas de novas moradias nos EUA atingirem o maior patamar em quase nove anos em julho.   Continuação...

 
Notas de real e dólar vistas em casa de câmbio no Rio de Janeiro.     10/09/2015        REUTERS/Ricardo Moraes