Déficit em conta corrente do Brasil soma USS$4 bi em julho, pior que o esperado

terça-feira, 23 de agosto de 2016 15:47 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou déficit de transações correntes de 4,050 bilhões de dólares em julho, melhor resultado para o mês desde 2009 mas pior que o estimado pelo mercado, movimento marcado pelo aumento expressivo da remessa de lucros e dividendos.

O rombo, mostrou o Banco Central nesta terça-feira, não foi coberto pelos Investimentos Diretos no País (IDP), que somaram apenas 78 milhões de dólares no mês passado, segundo pior desempenho da série histórica iniciada em 1995, perdendo apenas para a saída de 24,1 milhões de dólares em março de 1995.

Em pesquisa Reuters, a expectativa era de déficit em conta corrente menor, de 3,6 bilhões de dólares em julho, e com perda de 500 milhões de dólares no IDP.

No mês passado, o BC havia calculado que o IDP ficaria no vermelho em 700 milhões de dólares, impactado por uma transação de porte do setor financeiro. No início de julho, o Bradesco concluiu a compra do HSBC Brasil com pagamento de 16 bilhões de reais.

Para agosto, a autoridade monetária calcula que o investimento estrangeiro somará 7 bilhões de dólares.

Em julho, o saldo em transações correntes foi impactado pelas remessas de lucros e dividendos, que subiram 163 por cento na comparação anual, a 1,639 bilhão de dólares.

No período, a balança comercial mostrou superávit de 4,327 bilhões de dólares, frente a 2,635 bilhões de dólares em julho de 2015. Com o dólar mais caro frente ao real e a atividade deprimida, as importações vêm caindo em ritmo bem mais intenso que as exportações.

O BC informou ainda que os gastos líquidos dos brasileiros também contribuíram para a diminuição no déficit externo, com queda de 26 por cento sobre um ano antes, a 895 milhões de dólares em julho.

De janeiro a julho, o déficit em transações correntes ficou em 12,541 bilhões de dólares, inferior aos 43,572 bilhões de dólares de igual período do ano passado.   Continuação...