Preço spot da energia no Sudeste sobe 49% apesar de melhoria em chuvas

sexta-feira, 26 de agosto de 2016 16:26 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - O valor da eletricidade no mercado de curto prazo, dado pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), subiu 49 por cento na região Sudeste, para uma média de 140,71 reais por megawatt hora, mas uma melhoria no cenário de chuvas nas hidrelétricas limitou uma alta ainda maior, que era esperada pelos agentes de mercado.

No início do mês, chegou a haver expectativas de que uma forte elevação do PLD levasse ao acionamento da bandeira tarifária amarela, que eleva custos da energia para o consumidor, mas desde então houve uma melhoria hidrológica e pode ser possível que 2016 termine sem necessidade de mudança na bandeira verde atualmente vigente.

"Houve uma previsão de afluência bastante grande... então isso não provocou a subida tão grande que se previa... passando setembro, que era o mês mais delicado, é mais provável que não tenha (que acionar bandeira amarela) até fechar o ano... até porque em dezembro começa uma afluência maior", afirmou à Reuters o presidente da comercializadora América Energia, Andrew Frank.

Nesta sexta-feira, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, também afirmou que não espera que seja necessário acionar bandeira amarela neste ano.

O ONS divulgou nesta sexta uma projeção de que os reservatórios do Sudeste deverão receber chuvas correspondentes a 111 por cento da média histórica em setembro, enquanto no Sul as afluências devem chegar a 124 por cento da média histórica.

Segundo Frank, da América Energia, a forte alta do PLD, mesmo que abaixo das expectativas anteriores, foi puxada por uma projeção de consumo neste ano maior que o esperado inicialmente.

Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a carga prevista para o sistema na primeira semana de setembro é cerca de 600 MW médios superior ao previsto na semana anterior, com elevação principalmente no Sudeste (+400 MW médios), diante um otimismo maior com a economia.