PESQUISA-PIB do Brasil cai no 2º tri, pela sexta vez seguida, mas deve mostrar sinais de retomada

sexta-feira, 26 de agosto de 2016 18:04 BRT
 

Por Silvio Cascione

BRASÍLIA (Reuters) - A recessão no Brasil continuou no segundo trimestre mas parece estar perto do fim, segundo pesquisa da Reuters publicada nesta sexta-feira, com economistas apontando sinais de melhora da confiança e de crescimento da indústria.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter caído 0,5 por cento entre abril e junho sobre o primeiro trimestre deste ano, com ajuste sazonal, no que seria a sexta queda consecutiva do indicador, segundo a mediana de 24 projeções. As estimativas variaram entre alta de 0,6 por cento e baixa de 0,9 por cento.

O PIB recuou 0,3 por cento entre janeiro e março e deve ter baixa de mais de 3 por cento em 2016 como um todo. A recessão, já em seu segundo ano, caminha para ser a pior já registrada no país em mais de cem anos.

Na comparação anual, o PIB deve ter contraído 3,6 por cento em relação ao segundo trimestre de 2015, reduzindo a intensidade da baixa após queda de 5,4 por cento no primeiro trimestre. As projeções, neste caso, variaram entre retração de 3,1 e 4,8 por cento.

Os dados do segundo trimestre devem mostrar mais queda no consumo das famílias, a sexta consecutiva, segundo economistas na pesquisa. Os investimentos também devem ter recuado, prolongando a sequência negativa iniciada em 2013, embora alguns analistas tenham dito que o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff pode ter encorajado algumas empresas a descongelar projetos de investimento.

"A recessão chegou ao fundo do poço no meio de 2016," disse o diretor para a América Latina da Moody's Analytics, Alfredo Coutino, acrescentando que a economia deve começar a crescer novamente ainda antes do final do ano.

Mais de 1,7 milhão de brasileiros perderam o emprego nos últimos 12 meses. A crise custou ao Brasil o grau de investimento pelas agências de classificação de risco e ajudou a desestabilizar o governo de Dilma, que deve ser definitivamente afastada da Presidência na próxima semana pelo Senado.

Os primeiros sinais de recuperação vieram da melhora na confiança dos consumidores e dos empresários, que saíram das mínimas históricas. A produção industrial também voltou a crescer, ajudada pelo câmbio, que tem desencorajado importações.   Continuação...