Economistas veem mais inflação em 2016 e 2017, com menor corte da Selic no próximo ano, diz Focus

segunda-feira, 29 de agosto de 2016 09:49 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Economistas ouvidos semanalmente pelo Banco Central aumentaram suas projeções para inflação este ano e no próximo e passaram a ver menor corte da taxa básica de juros em 2017, em meio à persistente alta de preços sobretudo dos alimentos.

Pesquisa Focus do BC também mostrou que o Top 5 --grupo que mais acerta as previsões-- voltou a ver que a autoridade monetária vai reduzir a Selic, hoje a 14,25 por cento, neste ano.

O levantamento, divulgado nesta segunda-feira, mostrou que a estimativa para a alta do IPCA este ano subiu para 7,34 por cento, sobre 7,31 por cento na pesquisa anterior, estourando ainda mais a meta do governo, de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Para 2017, as expectativas sobre o IPCA subiram pela primeira vez após dez semanas, para 5,14 por cento, frente a 5,12 por cento do Focus anterior.

Apesar de recentemente ter perdido um pouco da força, os preços dos alimentos continuavam colocando pressão sobre a inflação. O IPCA-15, prévia do indicador oficial, mostrou alta próxima de 9 por cento em 12 meses acumulados até agosto.

Para a Selic, segundo o Focus, a projeção para o fim de 2017 subiu a 11,25 por cento, sobre 11 por cento na semana anterior, o primeiro movimento de alta após oito semanas de estabilidade.

A estimativa para a taxa básica de juros ao final deste ano foi mantida em 13,75 por cento.

O Top 5, por sua vez, voltou a ver a Selic no fim deste ano a 13,75 por cento, após indicar na semana passada que não haveria corte do juros básico até o fim do ano. Para 2017, a projeção permaneceu em 11,25 por cento.

O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne esta semana para definir o rumo da Selic e a expectativa é que seja mantida nos atuais 14,25 por cento.   Continuação...

 
Sede do Banco Central, em Brasília.     23/09/2015      REUTERS/Ueslei Marcelino