Dólar recua ante o real, à espera de impeachment e de olho em Fed

quarta-feira, 31 de agosto de 2016 10:41 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leve queda frente ao real nesta quarta-feira, com investidores fazendo os ajustes finais em suas carteiras antes da esperada confirmação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas seguia pressionado por expectativas de altas de juros nos Estados Unidos em breve.

Às 10:28, o dólar recuava 0,31 por cento, a 3,2301 reais na venda, após chegar a 3,2214 reais na mínima e 3,2427 reais na máxima do dia. O dólar futuro caía 0,32 por cento nesta manhã.

"Daqui para frente, os preços (nos mercados financeiros) só vão continuar melhorando se houver um ajuste fiscal claro que comece o mais cedo possível. E eu acho que há espaço para melhorar", disse o diretor de gestão de recursos da corretora Ativa, Arnaldo Curvello, evitando citar cotações específicas.

"O mercado foi bastante complacente com o governo (do presidente interino Michel Temer) por causa da interinidade, assumindo que ele evitou atritos com o Congresso para não atrapalhar o processo de impeachment, mas isso acaba agora".

A votação final do impeachment está marcada para começar às 11:00 e operadores dão como certa a confirmação do afastamento definitivo de Dilma.

Por isso, a reação imediata nos mercados tende a ser contida, embora Curvello tenha ressaltado que um placar abastado possa contribuir marginalmente para alimentar a demanda por ativos brasileiros.

O estrategista de um banco internacional também vê a possibilidade de um pequeno ajuste após a confirmação, afirmando que muitos investidores que deram como certa a permanência do Reino Unido na zona do euro tiveram suas apostas frustradas e preferiram evitar cometer o mesmo erro no caso do impeachment no Brasil.

A briga pela Ptax de agosto, taxa calculada pelo Banco Central que serve de referência para diversos contratos cambiais, também deixava as cotações sensíveis a operações pontuais.

Nesse contexto, o mercado brasileiro destoava de seus pares, onde o dólar se fortalecia em relação a diversas moedas emergentes após números fortes sobre o emprego no setor privado norte-americano.   Continuação...