Bovespa recua 1% acompanhando exterior em dia marcado por impeachment de Dilma

quarta-feira, 31 de agosto de 2016 17:49 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou com o seu principal índice em queda nesta quarta-feira, pressionado pelo cenário externo negativo, em sessão marcada pelo impeachment da agora ex-presidente Dilma Rousseff por crime de responsabilidade.

O Ibovespa caiu 1,15 por cento, a 57.901 pontos. O volume financeiro somou 8,6 bilhões de reais. Em agosto, o índice acumulou alta de 1,03 por cento, no terceiro mês seguido de ganhos. No ano, o Ibovespa acumula alta de 33,6 por cento.

No exterior, a forte queda dos preços do petróleo em razão de dados de estoques nos Estados Unidos pressionou os pregões em Wall Street, onde agentes financeiros também aguardam números de emprego na sexta-feira.

O Ibovespa ensaiou uma recuperação após senadores condenarem Dilma Rousseff, cassando o mandato obtido em outubro de 2014, mas a manutenção dos poderes políticos da petista pesou, em razão divisões na base aliada do governo.

A unidade dos partidos que apoiam Michel Temer, que deixou a interinidade e agora foi efetivado como presidente do país, é vista como essencial para a aprovação de medidas espinhosas, particularmente relacionadas ao controle das contas publicas.

"O foco está no andamento da agenda fiscal e de investimentos do governo", afirmou o gestor Ralph Rosenberg, sócio na Perfin Investimentos, citando que o resultado da votação já era consenso no mercado.

Na visão dele, o investidor, principalmente o estrangeiro, vai querer ver a implementação de medidas por parte do governo. "Por ora estava na promessa, mas agora não tem mais desculpa."

Para os estrategistas do JPMorgan liderados por Pedro Martins, mesmo esperado, o evento deve ter um efeito positivo sobre os preços dos ativos, uma vez que a conclusão do processo elimina "unidades de risco político".   Continuação...