Safra 15/16 do Brasil cai 10%, com impacto de perdas no milho, diz Conab

terça-feira, 6 de setembro de 2016 11:34 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de grãos e oleaginosas do Brasil 2015/16 foi estimada nesta terça-feira em 186,4 milhões de toneladas, queda de 10,3 por cento ou 21,4 milhões de toneladas na comparação com a temporada passada, devido a adversidades climáticas como seca e altas temperaturas que afetaram especialmente as lavouras de milho.

No seu último levantamento mensal para a temporada 2015/16, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu em mais 1,5 milhão de toneladas a previsão de colheita de milho, com novas perdas registradas na segunda safra, segundo relatório publicado nesta terça-feira.

Dessa forma, a produção total de milho vai recuar mais de 20 por cento na comparação com a safra anterior, para um total de 67 milhões de toneladas, uma situação que afetou as exportações brasileiras e que apertou as margens das indústrias de carnes, que tiveram de enfrentar preços recordes da principal matéria-prima da ração.

A Conab manteve praticamente estável a sua projeção de safra de soja, em 95,43 milhões de toneladas, na comparação com a previsão de agosto, o que representa uma queda de 0,8 por cento ante a temporada passada, quando o país teve um recorde.

A produção de soja teria potencial de atingir mais de 100 milhões de toneladas, em condições climáticas normais, segundo especialistas, uma vez que o plantio cresceu 3,6 por cento.

A previsão foi divulgada em momento em que produtores estão prestes a iniciar o plantio da nova safra de milho e soja (2016/17), que representam a maior parte da produção de grãos e oleaginosas do país.

Já a produção de algodão em pluma foi estimada em 1,29 milhão de toneladas, queda de 17,5 por cento ante a temporada passada, devido principalmente a problemas climáticos. A previsão para a pluma está em linha com estimativa de produtores antecipada pela Reuters em meados do mês passado.

A produção de feijão e arroz, cujos preços também subiram fortemente este ano, sendo os principais vilões da inflação, foi igualmente impactada pelo clima desfavorável.   Continuação...