Tendência de inflação da China em agosto indica estabilização da economia

sexta-feira, 9 de setembro de 2016 08:22 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A inflação ao consumidor na China em agosto desacelerou para seu ritmo mais fraco em quase um ano, pressionada pela queda nos custos dos alimentos, apesar de uma moderação encorajadora na deflação dos preços ao produtor ter ampliado as evidências de que a economia está se estabilizando.

De fato, as tendências da inflação mostradas nos dados desta sexta-feira confirmam os sinais recentes de uma recuperação mais firme na segunda maior economia do mundo, permitindo às autoridades resistirem a qualquer novo afrouxamento monetário no momento em que agem para conter um aumento insustentável do crédito no sistema financeiro.

Uma recuperação nos setores de moradia e construção impulsionou a indústria, incluindo a de aço e a de carvão. E embora muitos setores continuem a enfrentar excesso de produção, a demanda doméstica tem se mantido razoavelmente bem, com dados do comércio na quinta-feira mostrando uma melhora surpreendente nas importações.

A inflação ao consumidor na China desacelerou para 1,3 por cento em agosto na comparação com o mesmo período do ano anterior, ante uma alta de 1,8 por cento em julho, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional de Estatísticas. Esse foi o ritmo mais fraco desde outubro de 2015. Analistas consultados pela Reuters esperavam avanço de 1,7 por cento.

A inflação ao consumidor manteve-se bem abaixo da meta oficial da China de cerca de 3 por cento em 2016, apesar das preocupações de que graves inundações de verão, que têm interrompido a infraestrutura pública e a produção agrícola, vão elevar as pressões inflacionárias.

Os preços dos alimentos subiram 1,3 por cento em agosto na comparação anual, ante ganho de 3,3 por cento no mês anterior.

O índice de preços ao produtor caiu 0,8 por cento em agosto, menor ritmo de deflação desde abril de 2012.

Os preços ao produtor na China têm recuado desde março de 2012, mas um ponto de virada pode estar no horizonte já que a indústria vem melhorando diante da recuperação do setor imobiliário, e os preços das commodities avançam globalmente.

Analistas projetam que os preços ao produtor passarão a subir até o fim do ano, o que dará um impulso aos resultados do setor industrial.

(Reportagem de Elias Glenn)