Alimentos perdem fôlego e IPCA desacelera alta em agosto

sexta-feira, 9 de setembro de 2016 17:31 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - Os preços dos alimentos desaceleraram e ajudaram a inflação oficial a perder força em agosto, mantendo a porta aberta para um corte na taxa básica de juros.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,44 por cento em agosto, após subir 0,52 por cento em julho, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas apesar da folga na comparação mensal, essa é a taxa mais alta para meses de agosto desde 2007, quando o IPCA subiu 0,47 por cento.

Além disso, a alta acumulada em 12 meses até agosto aumentou para 8,97 por cento, contra 8,74 por cento no período até julho, muito acima do teto da meta --de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

"Mesmo com desemprego, menos demanda, menor renda e economia devagar, ainda há um resistência da inflação provocada basicamente por pressão de custos", explicou a economista do IBGE Eulina Nunes dos Santos, citando o dólar e os efeitos do clima sobre os alimentos.

O resultado de agosto se deveu principalmente ao grupo Alimentação e Bebidas, cujos preços subiram 0,30 por cento no mês passado, após alta de 1,32 por cento em julho.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o IPCA apresentasse alta de 0,44 por cento no mês e subisse 8,98 por cento em 12 meses.

  Continuação...

 
Consumidor observa preços em supermercado no Rio de Janeiro, Brasil
06/05/2016 REUTERS/Nacho Doce