Presidência de Trump poderia custar US$1 tri à economia dos EUA, diz consultoria

terça-feira, 13 de setembro de 2016 17:55 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A economia dos Estados Unidos pode ficar 1 trilhão de dólares menor do que seria de se esperar para 2021 se o candidato presidencial republicano Donald Trump vencer a eleição de novembro, disse a empresa de pesquisa econômica Oxford Economics nesta terça-feira.

Embora a firma tenha dito que as políticas de Trump – entre elas mais medidas comerciais protecionistas, cortes de impostos e deportação em massa de imigrantes ilegais – possam ser atenuadas nas negociações com o Congresso, elas poderiam ter consequências "adversas".

"Caso o senhor Trump se mostre mais bem-sucedido em obter a adoção de suas políticas, as consequências poderiam ser abrangentes: tirando 5 por cento do nível do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA em relação ao cenário-base e minando a recuperação antecipada para o crescimento global", alertou.

A Oxford Economics descreve a si mesma como uma empresa de consultoria independente global e tem sede em Oxford, na Inglaterra, mas também possui escritórios em vários lugares do mundo, entre eles Chicago, Miami, Filadélfia, San Francisco e Washington.

A campanha de Trump não respondeu imediatamente a pedidos de comentários. Em evento de campanha em Clive, Iowa, nesta terça-feira, no entanto, Trump voltou a afirmar que irá fazer a economia norte-americana crescer.

Ele prometeu revigorar o setor manufatureiro do país ao evitar que companhias norte-americanas façam seus produtos no exterior, renegociando acordos comerciais globais e cortando impostos e regulamentações federais.

"Iremos providenciar oportunidade, prosperidade e segurança para todos os norte-americanos", disse Trump.

Tendo em vista este cenário-base, a Oxford Economics acredita que o PIB norte-americano irá crescer em uma taxa basicamente constante de cerca de 2 por cento a partir de 2017, chegando a 18,5 trilhões de dólares em 2021.

A Oxford Economics disse que o cenário-base pressupõe uma vitória da candidata presidencial democrata Hillary Clinton na votação do dia 8 de novembro e um Congresso dividido entre uma Câmara dos Deputados republicana e um Senado democrata, o que resultaria em grande parte em uma continuação das políticas atuais.

As pesquisas de intenção de voto mais recentes mostram a ex-secretária de Estado Hillary na dianteira, mas sua vantagem vem diminuindo nas últimas semanas.

    (Por John Geddie)

 
Donald Trump faz discurso durante campanha em Asheville. 12/9/2016.  REUTERS/Mike Segar