ENTREVISTA-Petros prevê aprovar plano para déficit de R$16 bi até dezembro, vê espaço para risco em algumas áreas

terça-feira, 13 de setembro de 2016 18:51 BRT
 

Por Aluísio Alves

FLORIANÓPOLIS (Reuters) - A Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, deve aprovar até dezembro o plano para equacionar um déficit de 16 bilhões de reais, disse nesta terça-feira à Reuters o presidente da instituição, Walter Mendes, que prevê ainda uma mudança na política de investimentos nas próximas semanas vendo espaço para maior risco em alguns planos.

Nos últimos dois anos, devido ao cenário econômico ruim do país e aos maus resultados com investimentos de risco, a Petros praticamente comprou apenas títulos públicos com os novos recursos que entraram.

Agora, com a tendência de queda da taxa básica de juros, hoje em 14,25 por cento ao ano, a Petros já avalia voltar a investir em ativos que ofereçam maior rentabilidade.

"Nossa área de investimentos ficou conservadora demais", disse Mendes, que participou do 37º Congresso Brasileiro de Fundos de Pensão. "Há espaço para incorporar risco em alguns planos e nas próximas semanas isso vai começar a mudar.”

De todo modo, o executivo previu que os fundos geridos pelo Petros terão rentabilidade acima da meta atuarial, de IPCA + 5,7 por cento ao ano.

Atualmente cerca de 60 por cento dos recursos da Petros estão em títulos públicos e, segundo Mendes, há espaço para investir em ativos como projetos de infraestrutura.

O governo federal tem indicado que espera contar com as fundações para financiar um novo ciclo de investimentos em infraestrutura e, com isso, tirar o país de uma recessão que já dura dois anos.

A expectativa de investidores financeiros é de que os fundos de pensão compensem em parte a menor participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em projetos custosos, como de portos, rodovias e estradas.   Continuação...