BC do Japão tornará juros negativos peça central de futuro afrouxamento, dizem fontes

quarta-feira, 14 de setembro de 2016 08:33 BRT
 

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O banco central do Japão vai avaliar na reunião da próxima semana tornar a taxa de juros negativa o ponto central de futuros afrouxamentos monetário transformando os juros como sua principal meta de política monetária em lugar da base monetária, disseram fontes familiares com o pensamento do banco.

A mudança vai destacar as crescentes preocupações no banco central e dos mercados financeiros sobre os limites dos esforços de estímulo econômico do Banco do Japão, depois de mais de três anos de compras agressivas de títulos.

Também será um afastamento do experimento monetário único do Banco do Japão que tentou convencer o público de que sua forte impressão de dinheiro iria impulsionar a atividade econômica e os preços.

"Entre as ferramentas de política do Banco do Japão, a prioridade vai provavelmente mudar para a taxa de juros e sair das enormes compras de títulos", disse uma das fontes, sob condição de anonimato.

O jornal Nikkei havia informado na quarta-feira que o banco central irá colocar mais ênfase nas taxas negativas como uma ferramenta para futuro afrouxamento.

O Banco do Japão não deve abandonar sua meta atual de base monetária, que é a quantidade de dinheiro que ele se compromete a imprimir a cada ano, ou adotar um limite explícito nos juros de longo prazo, disseram.

Ainda assim, ao mudar seu foco para taxas negativas, o banco central espera dissipar as crescentes visões do mercado de que a impopularidade dos juros negativos entre o público vai desencorajá-lo a cortar os juros, mesmo que isso impeça aumentos indesejáveis do iene.

Um período prolongado de indecisão por parte do Federal Reserve, banco central norte-americano, poderia enfraquecer o dólar e fortalecer o iene, que já subiu quase 17 por cento até agora neste ano, pressionando a máquina de exportação do Japão.

Ainda não há consenso no Banco do Japão sobre cortar ainda mais os juros já negativos na reunião de 20 e 21 de setembro, quando o banco fará uma avaliação abrangente de suas políticas, disseram as fontes.

Essa decisão vai depender da movimentação do iene e se os membros do conselho sentirem que fazer isso seria necessário para reforçar o compromisso do banco em alcançar sua meta de inflação, completar.