Reino Unido aprova usina nuclear apoiada pela China, mas estabelece controles mais rígidos

quinta-feira, 15 de setembro de 2016 09:50 BRT
 

Por William James

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido deu luz verde nesta quinta-feira para a construção de uma usina nuclear de 24 bilhões de dólares, encerrando semanas de incertezas que geraram tensão nos laços com China e França, mas também destacou que terá uma abordagem mais cautelosa com relação a investimentos estrangeiros em projetos-chave de infraestrutura.

O governo da nova primeira-ministra Theresa May disse que prosseguirá com o projeto Hinkley Point C no sudoeste da Inglaterra, aprovando projeto da operadora francesa EDF para construir o primeiro novo reator nuclear no Reino Unido em décadas, com o apoio de 8 bilhões de dólares de investimento chinês.

A administração May também apresentou uma nova política de investimentos com o objetivo de dar ao governo maior controle sobre futuros acordos quando houver a participação de governos estrangeiros em "infraestrutura fundamental".

May, que se tornou primeira-ministra após o referendo que decidiu pela saída britânica da União Europeia, surpreendeu os investidores ao paralisar o projeto nuclear em julho -- poucas horas antes da assinatura do contrato-- dizendo que precisava de tempo para avaliar todos os aspectos do projeto, inclusive preocupações com a segurança nacional.

"Tendo revisto amplamente a proposta para Hinkley Point C, vamos introduzir uma série de medidas para ampliar a segurança e garantiremos que Hinkley não poderá mudar de mãos sem a aprovação do governo", disse o ministro de Empresas e Energia, Greg Clark, em comunicado.

"Em consequência, decidimos prosseguir com a primeira usina nuclear nova em uma geração".

A EDF e a China General Nuclear Power Corporation (CGN) investidora chinesa no projeto, saudaram a decisão.

 
Usinas nucleares Hinkley Point A e B na Grã-Bretanha. 03/08/2016 REUTERS/Darren Staples