Dólar tenta ganhar fôlego ante real apesar de dados fracos dos EUA

quinta-feira, 15 de setembro de 2016 11:13 BRT
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar esboçou uma realização de lucros mais cedo, mas o movimento não se sustentou e a moeda voltava a operar em território positivo ante o real, a despeito de indicadores norte-americanos terem esvaziado as apostas de aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve na próxima semana.

"O mercado está muito volátil, digerindo muitas informações", comentou o diretor de operações corretora Mirae Asset, Pablo Spyer

Às 11:10, o dólar subia 0,25 por cento, a 3,3515 reais na venda. Na mínima da sessão, o dólar marcou 3,3125 reais e, na máxima, 3,3681 reais. O dólar futuro subia 0,19 por cento.

A moeda chegou a abrir em baixa mas passou a oscilar entre altas e baixas até se firmar um pouco mais em alta, em meio a movimentos técnicos e com investidores aproveitando os preços mais baixos para se posicionar, bem como encerrar posições vendidas para reduzir ou zerar perdas. A pressão no mercado futuro também influenciava a cotação à vista.

"Se o preço ficar acima de 3,36 reais, que é um ponto forte de resistência no futuro, a pressão compradora no dólar à vista aumenta", disse um operador de uma corretora paulista para justificar a pressão compradora no meio da manhã.

O comportamento da moeda acabou ignorando os dados da economia dos EUA, que, na média vieram piores. Após a divulgação dos números, diminuíram as probabilidades de aumento da taxa de juros implicadas nos Fed Funds. Segundo o, no próximo encontro as chances estão agora em 88,6 por cento para manutenção.

De acordo com Pablo Spyer, em novembro a chance de alta de juro nos EUA está em 25 por cento e, em dezembro, de 50,1 por cento.

A produção industrial dos EUA caiu 0,4 por cento em agosto ante julho, pior que a projeção de recuo de 0,3 por cento capturada por pesquisa Reuters.   Continuação...