September 17, 2016 / 1:17 PM / 10 months ago

Construtora Viver pede recuperação judicial

3 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO (Reuters) - A construtora e incorporadora Viver informou que pediu recuperação judicial na sexta-feira, num processo que envolve dívidas de cerca de 1 bilhão de reais.

O anúncio acontece dias após a companhia, cujo nome anterior era Inpar, ter sido alvo de duas execuções judiciais, uma de 15 milhões e outra de 18,5 milhões de reais, referentes a dívidas não pagas pela companhia.

Na véspera, ao anunciar segunda execução, Viver havia informado que estava avaliando providências legais cabíveis para sua "defesa de forma a preservar os interesses de seus acionistas e promover a continuidade operacional".

Segundo Luis De Lucio, diretor-geral do escritório Alvarez & Marsal, contratado pela Viver desde fevereiro e que é a assessora no pedido de recuperação judicial, a companhia já vêm tomando medidas nos últimos meses visando a preservar suas operações.

"O pedido de recuperação é reflexo do ambiente adverso que está afetando as construtoras, com demanda fraca, falta de crédito e quedas dos preços dos imóveis", disse De Lucio à Reuters.

No fim de junho, Viver tinha caixa de 25,5 milhões de reais, contra 24,4 milhões de reais no fim de março.

Na comparação ano a ano, a receita líquida da companhia no segundo trimestre caiu 9,1 por cento, enquanto o prejuízo subiu 9,5 por cento.

"A companhia continuará focada na continuidade das suas atividades, atendimento a clientes, cumprimento de seus objetivos e confiante de que esta foi a melhor medida que poderia ter sido adotada neste momento", afirmou a empresa em nota ao mercado na sexta-feira.

A decisão da Viver sublinha os desafios enfrentados por companhias de vários setores no Brasil, que vive a maior recessão econômica em quase um século.

Com um cenário pontuado por escassez de crédito, desemprego em alta e aumento rápido do endividamento, o mecanismo da recuperação judicial no Brasil já foi adotado por empresas de vários setores, incluindo as empreiteiras OAS e Galvão Engenharia, a operadora de telecomunicações Oi e a afretadora de sondas para exploração de petróleo Sete Brasil.

Com reportagem adicional de Guillermo Parra-Bernal

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below