September 20, 2016 / 8:12 PM / 10 months ago

Petrobras prevê mais demissões e lança metas de segurança

3 Min, DE LEITURA

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras planeja melhorar os indicadores de segurança enquanto prevê novos cortes de empregos, diante do bilionário plano de venda ativos, afirmou nesta terça-feira o presidente da petroleira estatal, Pedro Parente, que evitou estimar quantos empregos poderão ser cortados.

A estatal prevê desinvestimentos de 19,5 bilhões de dólares para o biênio de 2017 e 2018, além dos 15,1 bilhões projetados em vendas de ativos entre 2015 e 2016.

"Toda vez que a gente fizer uma parceria ou desinvestimento, haverá um plano de demissões voluntárias", afirmou o executivo a jornalistas, após apresentar o novo Plano de Negócios.

No início do mês, a empresa publicou que 11.704 empregados aderiram ao Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) de 2016, o equivalente a cerca de 20 por cento da força de trabalho permanente da companhia.

Além disso, segundo a Petrobras, 114 mil prestadores de serviços foram desligados desde dezembro de 2014 até o momento.

"Isso (programa de demissões) será oferecido aos funcionários e qual o número que isso vai resultar, cada transação (de venda de participação em ativos) é que vai indicar."

Diante dos riscos de demissão, os sindicados de petroleiros têm realizado fortes manifestações e estão se reunindo para discutir a possibilidade de uma greve, onde também reivindicam melhores condições de trabalho, segurança e o reajuste salarial.

As federações que representam os funcionários da Petrobras rejeitaram fortemente na sexta-feira uma proposta feita pela companhia para um acordo salarial e de benefícios, em sua negociação anual, aumentando o risco de greve.

Metas Para a segurança

No novo plano de negócios, a Petrobras acrescentou metas para o aumento da segurança dos seus funcionários.

"Não podemos olhar pelo custo, mas pela relevância que representa trazer a métrica de acidentados registráveis para um número mais próximo daquilo que praticam as melhores do setor", afirmou Parente a jornalistas.

A empresa traçou como meta reduzir em 36 por cento o indicador, chamado pela empresa de taxa de acidentados registráveis por milhão de homens-hora (TAR), para 1,4 em 2018, ante 2,2 em 2015, como forma de aumentar a segurança na empresa.

"Eu pediria para que vocês não dessem menor relevância ao tema da segurança, que para nós é uma tema absolutamente fundamental", disse Parente no encerramento da coletiva.

A melhora nos indicadores de acidentes, segundo Parente, exigirá uma mudança cultural e de foco nas ações de segurança. De acordo com o presidente, a petroleira lançará um novo programa chamado o Compromisso pela Vida, que terá envolvimento direto das lideranças e será baseado num reforço de segurança de processos baseado em risco para garantir a integridade das instalações e sistemas da companhia, assim como um sistema de consequências para desvios de padrões e ações integradas.

Por Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below