Petrobras prevê mais demissões e lança metas de segurança

terça-feira, 20 de setembro de 2016 17:10 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras planeja melhorar os indicadores de segurança enquanto prevê novos cortes de empregos, diante do bilionário plano de venda ativos, afirmou nesta terça-feira o presidente da petroleira estatal, Pedro Parente, que evitou estimar quantos empregos poderão ser cortados.

A estatal prevê desinvestimentos de 19,5 bilhões de dólares para o biênio de 2017 e 2018, além dos 15,1 bilhões projetados em vendas de ativos entre 2015 e 2016.

"Toda vez que a gente fizer uma parceria ou desinvestimento, haverá um plano de demissões voluntárias", afirmou o executivo a jornalistas, após apresentar o novo Plano de Negócios.

No início do mês, a empresa publicou que 11.704 empregados aderiram ao Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) de 2016, o equivalente a cerca de 20 por cento da força de trabalho permanente da companhia.

Além disso, segundo a Petrobras, 114 mil prestadores de serviços foram desligados desde dezembro de 2014 até o momento.

"Isso (programa de demissões) será oferecido aos funcionários e qual o número que isso vai resultar, cada transação (de venda de participação em ativos) é que vai indicar."

Diante dos riscos de demissão, os sindicados de petroleiros têm realizado fortes manifestações e estão se reunindo para discutir a possibilidade de uma greve, onde também reivindicam melhores condições de trabalho, segurança e o reajuste salarial.

As federações que representam os funcionários da Petrobras rejeitaram fortemente na sexta-feira uma proposta feita pela companhia para um acordo salarial e de benefícios, em sua negociação anual, aumentando o risco de greve.

  Continuação...