Fortescue espera que demanda da China reanime interesse da Vale em parceria

quinta-feira, 22 de setembro de 2016 17:14 BRT
 

DALIAN, China (Reuters) - A mineradora australiana Fortescue espera que uma forte demanda da China possa eventualmente reavivar as negociações paralisadas com a concorrente brasileira Vale para a mistura e a distribuição de produtos de minério de ferro de ambas as empresas no maior consumidor do mundo da commodity.

As duas companhias anunciaram em março que estavam em negociações para misturar até 100 milhões de toneladas de minério na China. O objetivo era igualar a qualidade do minério das empresas à daquele produzido pela concorrente australiana Rio Tinto, visto como referência na China, e assim ganhar uma maior participação de mercado.

As conversações, desde então, abrandaram significativamente e a "Vale expressou que eles estão menos entusiasmados no momento", disse à Reuters nesta quinta-feira o presidente da Fortescue, Nev Power.

"Provavelemnte, eles têm prioridades mais altas no curto prazo. Em última análise, a necessidade por isso vai estar lá e pensamos que o interesse dos clientes vai trazer (o negócio) de volta", disse o executivo, nos bastidores de uma conferência da indústria.

A crescente produção de aço da China tem impulsionado a demanda por minério de ferro, depois que os preços mais fracos ao longo dos últimos três anos limitaram a produção de minério doméstica. As importações da matéria prima da siderurgia aumentaram 9,3 por cento para 669,65 milhões de toneladas nos primeiros oito meses de 2016 ante um ano atrás.

Um executivo da Vale disse que as discussões sobre a mistura de minério estão em curso, mas acrescentou que esse é um "negócio muito complexo".

"Estamos progredindo, discutindo. Não é algo que é fácil de implementar", disse Claudio Alves, diretor global de marketing e vendas da Vale.

(Por Manolo Serapio Jr.)