Fintech Digio espera ter 1 milhão de cartões emitidos no Brasil em 2017

sexta-feira, 23 de setembro de 2016 14:17 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Digio, plataforma digital de cartões de crédito do banco CBSS, uma joint venture do Bradesco e do Banco do Brasil, a ser anunciada oficialmente no mês que vem, estima que vai superar 1 milhão de cartões em 2017, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto.

Ainda em fase piloto, o Digio é uma resposta à multiplicação das fintechs, empresas de tecnologia independentes que prestam serviços financeiros. A marca tem mais de 150 mil pedidos de clientes atualmente, afirmou a fonte.

Apoiado no foco do CBSS em consumidores de renda mais baixa, o Digio quer aproveitar a boa aceitação do público para cartões de crédito sem tarifas, especialmente entre jovens em idade universitária que estão sendo bancarizados, para criar uma base robusta logo na saída, acrescentou a fonte que pediu para não ter seu nome revelado.

O banco CBSS também tem sob seu guarda-chuva a bandeira de cartões de benefícios Alelo, o Livelo, além da financeira Movera, de microcrédito.

Inicialmente atuando apenas sob a bandeira Visa --o Nubank opera com a rival Mastercard-- o Digio deve trabalhar com outras marcas, incluindo a Elo, também do BB e Bradesco, além de parceria com o programa de fidelidade de clientes Livelo.

Dado o acesso a recursos dos sócios BB e Bradesco, o Digio tem condições de aprovar um volume maior de pedidos, disseram duas fontes. Comparativamente, o líder desse mercado, o Nubank, tem capacidade financeira mais limitada de crescer porque recebe recursos de dois bancos de pequeno porte cujos nomes não são públicos.

Consultado, o Nubank afirmou já ter cerca de 5,5 milhões de pedidos por seus cartões. A empresa, no entanto, aprova apenas um pequeno percentual dessas solicitações, após análise sobre perfil de crédito.

O Digio nasceu sem a opção de crédito rotativo. Em vez disso, se o cliente quiser financiar parte da fatura, o banco oferece uma linha de parcelamento com taxa fixa de 7,9 por cento ao mês, bem menor do que a taxa média do rotativo praticada pelos bancos, acima de 14 por cento mensais.   Continuação...