Apenas 3% dos fundos de previdência complementar têm rentabilidade acima do CDI, diz estudo

segunda-feira, 26 de setembro de 2016 13:41 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O setor de previdência complementar tem apresentado crescimento de captação nos últimos anos, apesar de ser uma categoria de investimentos onde uma parcela mínima dos fundos tem conseguido apresentar rentabilidade superior à Selic, segundo um estudo feito por uma gestora de recursos.

O levantamento, da TAG Investimentos, avaliou o desempenho com 1.008 fundos classificados entre as categorias renda fixa, conservador, moderado e agressivo.

"Os números são absolutamente lastimáveis e mostram que o desempenho majoritário dos gestores desse tipo de fundo é sofrível", disse o sócio da TAG André Leite, que compilou os dados.

No espaço de 12 meses até setembro, apenas 68 de 375 fundos de previdência complementar classificados como de renda fixa superaram o CDI, referenciada na taxa básica de juros do país, hoje em 14,25 por cento ao ano. No grupo conservador, 88 de 139 fundos superaram o CDI no período. Entre os moderados, o resultado foi o melhor, 68 de 87 superaram o indicador. Já nos agressivos, a fotografia mostrou o contrário, apenas 3 de 286 carteiras tiveram desempenho melhor do que o índice.

Na indústria, rentabilidades fracas num período relativamente curto para investimentos de décadas são considerados naturais, especialmente em momentos de maior volatilidade do mercado. Mas o levantamento mostra que a rentabilidade dos fundos num prazo mais longo tem um desempenho ainda pior: Dos 587 fundos existentes há 48 meses, apenas 17 batem o CDI, ou 2,9 por cento do universo considerado.

Um dos poucos nichos da indústria de investimentos financeiros que tem mantido captação positiva mesmo diante da recessão do país, a previdência privada tem ganhado ainda mais apelo a reboque das discussões do governo sobre mudanças na aposentadoria. Segundo a Fenaprevi, que representa as instituições do setor, o número de participantes do sistema é de pouco mais de 12 milhões de pessoas.

Segundo a Anbima, a captação líquida dos fundos abertos de previdência somou 20,5 bilhões de reais no primeiro semestre. Isso representa mais de metade da entrada líquida na indústria global de fundos de investimentos no país, mesmo tendo um patrimônio que representa menos de um quinto do total.

Os benefícios fiscais para planos como o PGBL, as facilidades de portabilidade e as opções para divisão de patrimônio entre herdeiros são vendidos por bancos como alguns dos principais atrativos para os planos de previdência.

No entanto, fatores como as taxas de administração elevadas cobradas pelos administradores e limitações regulatórias para alocação de recursos, como os que proíbem investimentos em derivativos financeiros, por exemplo, acabam prejudicando o desempenho dos produtos, disse Leite.   Continuação...