Dólar fecha praticamente estável em sessão de cautela antes de debate nos EUA

segunda-feira, 26 de setembro de 2016 17:35 BRT
 

Por Claudia Violante

São Paulo (Reuters) - O dólar encerrou a segunda-feira com ligeira alta ante o real, numa sessão de bastante vaivém, influenciada pela forte valorização do petróleo no mercado internacional e expectativa pelo resultado do primeiro debate entre os candidatos Hillary Clinton e Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos.

O dólar teve variação positiva de 0,01 por cento, a 3,2474 reais na venda. Na mínima do dia, a moeda norte-americana recuou a 3,2243 reais e, na máxima, chegou a 3,2550 reais. O dólar futuro operava praticamente estável, com ligeira queda de 0,05 nesta tarde.

"O mercado ficou dois para lá dois para cá o dia todo. Hoje foi um dia de pouco volume, uma sessão de espera", comentou um economista de uma gestora nacional.

A divulgação do Relatório Trimestral de Inflação pelo Banco Central, na manhã de terça-feira, também serviu para trazer cautela ao mercado cambial.

No documento, os agentes esperam obter mais subsídios para calibrar suas apostas sobre o corte de juros no Brasil.

Durante a sessão desta segunda-feira, a curva de juros norte-americana ajudou a pressionar o dólar para baixo ante o real. Isso porque diminuíram as apostas para um aumento da taxa básica dos EUA. Se não subir os juros, significa que países emergentes como o Brasil ganham mais tempo para se beneficiar de fluxo de recursos à procura de retornos mais atrativos.

Segundo profissionais do mercado, houve redução nas apostas de um aumento de juros embutidas para o encontro do Federal Reserve, banco central norte-americano, de dezembro, que passaram para 50,5 por cento nesta segunda-feira, de 55,4 por cento na sexta-feira, e também para o encontro de fevereiro, para 54,6 por cento, de 59,1 por cento na mesma comparação.

O mercado tem avaliado que a tendência para a trajetória da moeda norte-americana no Brasil é de baixa, justamente porque o Fed sinalizou maior gradualismo para elevar os juros nos Estados Unidos no encontro de política monetária da última semana.   Continuação...