27 de Setembro de 2016 / às 14:07 / um ano atrás

BC vê inflação abaixo do centro da meta em 2017 e 2018 e sinaliza corte de juros

Logo do Banco Central visto na sede, em Brasília. 15/01/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central passou a ver a inflação abaixo do centro da meta tanto em 2017 quanto em 2018, apontando progressos em relação à alta dos preços de alimentos e reforçando no mercado as apostas de corte de juros já na próxima reunião do Copom, em outubro.

Sobre a inflação de serviços e o ajuste fiscal, o BC fez em seu Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta terça-feira, uma avaliação mais cautelosa, destacando a permanência de incertezas.

A autoridade monetária previu uma inflação medida pelo IPCA em 4,4 por cento em 2017, ante 4,5 por cento em sua última estimativa, feita no comunicado da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do fim de agosto. Para este ano, manteve a estimativa de inflação de 7,3 por cento. Já para 2018, sempre pelo cenário de referência, o cálculo do BC foi de uma alta do IPCA de 3,8 por cento.

O cenário de referência considera a manutenção da Selic em 14,25 por cento ao ano e o dólar a 3,30 reais por todo o horizonte de previsão.

“Todos (os modelos do BC) sinalizam que tem espaço para cortar juros sem interromper a trajetória de convergência para a inflação”, avaliou o economista-chefe da Votorantim Corretora, Roberto Padovani, que espera redução de 0,5 ponto da Selic no próximo mês e outra de igual magnitude em novembro.

“De modo geral, a gente não viu nenhuma comunicação de que algo seja impeditivo para começar o processo. É um sinal muito claro de corte em outubro”, completou.

Reagindo à publicação do relatório, as taxas dos contratos futuros de juros operavam em queda, com as expectativas de um corte de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros em outubro ganhando força.

Rotineiramente, o BC fazia no relatório de setembro estimativas para o terceiro trimestre de dois anos à frente. Nesta terça, contudo, disse que a extensão das projeções até o quarto trimestre de 2018 cumpre o papel de cobrir a totalidade dos anos-calendário para os quais já há definição das metas para a inflação.

O alvo para este ano é de uma inflação de 4,5 por cento, com margem de dois pontos para mais ou para menos. Para 2017 e 2018, o centro da meta permanece o mesmo, mas a margem de tolerância é de 1,5 ponto percentual.

Ecoando trecho de discurso recente do presidente do BC, Ilan Goldfajn, o relatório destacou que o horizonte relevante das ações de política monetária não é estático e se desloca continuamente com o passar do tempo.

O documento esclareceu ainda que esse horizonte “abrange os anos-calendário com metas já definidas pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), inclusive o ano de 2017, para o qual o Comitê persegue a convergência para a meta de 4,5 por cento”.

As projeções do BC tiveram como pano de fundo uma perspectiva inalterada para o PIB neste ano, de contração de 3,3 por cento. Para 207, o BC previu um crescimento de 1,3 por cento, contra estimativa do Ministério da Fazenda de 1,6 por cento.

ALIMENTOS

O relatório -- o primeiro que será apresentado pelo diretor de Política Econômica, Carlos Viana, no cargo -- destacou melhorias em relação à inflação de alimentos, que vem sendo acompanhada de perto como um dos fatores que deve mostrar evolução positiva antes do BC cortar a taxa básica de juros, que segue em 14,25 por cento ao ano desde julho de 2015.

“Evidências recentes indicam que a queda nos preços de alimentos no atacado tem se transmitido para o varejo. De fato, uma parte da resistência recente à queda da inflação corrente parece ter sido causada por choques temporários nos preços de alimentos. O Copom se manterá atento a sinais de que essa resistência também possa advir de mecanismos inerciais”, trouxe o documento.

Para o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, a mensagem do BC sobre esse grupo de preços reforça que há “avaliação bem mais positiva” sobre a trajetória de inflação, pavimentando o caminho para um corte nos juros em outubro.

“A gente há estava com cenário de começar em outubro com 0,25 ponto percentual. Estamos mantendo”, disse.

No relatório, o BC também repetiu que, antes da política monetária ser flexibilizada, os componentes do IPCA mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica devem indicar desinflação em velocidade adequada, numa referência à inflação de serviços, e a incerteza sobre os ajustes necessários na economia deve diminuir, mencionando diretamente as medidas fiscais.

Sobre a inflação de serviços, apontou que “ainda há sinais inconclusivos quanto à velocidade de desinflação em direção à meta”.

Já em relação aos ajustes, o BC disse que há sinais positivos em relação ao encaminhamento e à apreciação das reformas fiscais, mas que “o processo de tramitação ainda está no início e as incertezas quanto à aprovação e à implementação dos ajustes necessários permanecem”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below