Cinco grupos já manifestaram interesse em privatização da Celg-D, diz governo

quarta-feira, 28 de setembro de 2016 20:16 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ao menos cinco grupos empresariais já manifestaram o interesse em participar do leilão de privatização da distribuidora de energia goiana Celg-D, que deveria ter acontecido em agosto mas foi reprogramado para novembro desse ano por falta de interessados na oferta inicial, disse nesta quarta-feira o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa.

Representantes do governo federal, da controladora Eletrobras, do governo de Goiás, que também é acionista da distribuidora, e do BNDES receberam potenciais interessados na Celg-D nesta quarta-feira, na sede do banco, para apresentar os números e as perspectivas para a empresa.

Depois do adiamento do leilão de agosto, o governo federal definiu um novo valor mínimo para a venda da Celg-D em 1,792 bilhão de reais, ante 2,8 bilhões estabelecidos anteriormente como preço mínimo.

"Cinco grupos, ou 7 empresas, estão olhando a companhia (Celg-D) e isso pode crescer mais. Achamos natural que algumas entrem juntas e é natural que uma empresa entre na disputa com um operador", disse Pedrosa a jornalistas.

"Distribuição não é um negócio da natureza da Eletrobras e foi um peso para a Eletrobras nos últimos anos, e por isso também ela perdeu valor nos últimos anos", afirmou o executivo.

As empresas interessadas em adquirir a Celg-D incluem a CPFL Energia, que está em processo de aquisição pela State Grid; a Neoenergia, controlada pela Iberdrola; Enel; Energisa e Equatorial Energia, disse Pedrosa.

A ideia é que o novo edital de venda da Celg-D seja publicado em outubro para que o certame seja realizado em novembro, com perspectiva de assinatura de contrato em janeiro de 2017.

"Esperamos que saia acima do valor mínimo", disse o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr.

  Continuação...