Moeda chinesa passa a integrar cesta de elite do FMI

sábado, 1 de outubro de 2016 16:17 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - O iuan chinês passou a integrar neste sábado uma cesta de moedas de reserva do Fundo Monetário Internacional (FMI), um marco para a campanha de Pequim na busca pelo reconhecimento do poder econômico da China.

A moeda chinesa se junta ao dólar, ao euro, ao iene e à libra esterlina na cesta dos direitos especiais de saque (SDR, na sigla em inglês) do FMI, que determina as moedas que os países podem receber como empréstimo do fundo.

O evento que marca a primeira adição de moeda na cesta desde o lançamento do euro, em 1999.

O iuan, também conhecido como renminbi, ou "moeda do povo", foi adicionado à cesta do FMI no mesmo dia em que o Partido Comunista comemora a fundação da República Popular da China, em 1949.

"A inclusão na SDR é um marco na internacionalização do renminbi e é uma confirmação do sucesso do desenvolvimento econômico da China e resultado de uma reforma e abertura do setor financeiro", disse o Banco Popular da China um comunicado.

(Reportagem de Nathaniel Taplin; reportagem adicional de Ben

Blanchard)