October 4, 2016 / 8:42 PM / 10 months ago

Dólar sobe 1,54% e volta a R$ 3,2551 acompanhando exterior

3 Min, DE LEITURA

Notas um dólar dos Estados Unidos são examinadas em Washington, nos EUA 14/11/2014Gary Cameron/File Photo

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuperou o terreno perdido na véspera e fechou com valorização ante o real nesta terça-feira, acompanhando o movimento altista no exterior e pressionado por fluxo comprador de importadores.

A moeda norte-americana subiu 1,54 por cento, maior alta percentual desde 13 de setembro, e fechou a 3,2551 reais na venda.

Na mínima do dia, o dólar tocou 3,2066 reais e, na máxima, 3,2602 reais. O dólar futuro subia 1,30 por cento nesta tarde.

"O aparente catalisador para esse fortalecimento global do dólar seria o aumento da probabilidade de elevação dos juros ainda esse ano pelo Fed, o que leva ao ajuste de posições em escala global, especialmente no período da tarde, quando recebemos importante notícia em relação ao BCE (Banco Central Europeu) e a condução de sua política monetária", comentou o operador da corretora H.Commcor, Cleber Alessie Machado.

A agência de notícias Bloomberg noticiou que o BCE provavelmente vai encerrar lentamente as compras de títulos antes de por fim ao programa de "quantative easing", o que poderia ocorrer em reduções mensais de 10 bilhões de euros. O porta-voz do BCE, contudo, negou que a autoridade monetária europeia tenha discutido redução no volume de compra de títulos.

Declarações de dirigentes do Federal Reserve, banco central norte-americano, também contribuíam para influenciar a alta do dólar no exterior.

O presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, disse nesta terça-feira que teria votado a favor de uma alta de juros na reunião de política monetária do Fed em setembro se tivesse direito a voto.

Na segunda-feira, a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, já havia defendido aumento de juros.

"Embora ele não tenha voto este ano no Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto), (Lacker) é mais um dirigente a falar sobre o aumento dos juros e isso influencia", disse o diretor Correparti Corretora, Jefferson Rugik.

Alguns indicadores norte-americanos divulgados na véspera também pressionaram as cotações da moeda norte-americana para cima ante outras divisas, como de países emergentes, como o peso mexicano, o rand sul-africano e a lira turca.

Durante a manhã, a moeda havia dado um repique de alta com declaração do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, sobre swap cambial. Ele disse que o câmbio não está sendo utilizado como instrumento para controlar a inflação. Segundo ele, se assim fosse, o BC não estaria reduzindo o estoque de swaps.

"O mercado entendeu que se o BC quisesse que o dólar caísse, não faria o swap reverso (equivalente a compra futura de dólares) e deixaria o dólar afundar", avaliou o diretor de operações da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer.

Ilan falou ainda que o BC está num processo de redução dos swaps cambiais.

O Banco Central vendeu nesta manhã toda a oferta de 5 mil contratos de swap cambial reversos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below