ENTREVISTA-Acordos de leniência estão em suspenso devido a pactos de delação, diz ministro Jardim

quarta-feira, 5 de outubro de 2016 18:04 BRT
 

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) - As negociações dos acordos de leniência entre o governo e 12 empresas citadas no escândalo de corrupção da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) estão em suspenso até que o Ministério Público finalize as investigações da operação Lava Jato, disse o ministro da Transparência, Torquato Jardim, à Reuters.

Jardim disse estar disposto a permitir que as empreiteiras voltem a firmar contratos com o governo assim que tiverem pago as multas, mas os promotores precisam concluir a maior investigação de corrupção do Brasil primeiro.

As 12 construtoras estão negociando acordos de leniência e podem ser retiradas da lista negra se admitirem culpa, prestarem informações aos investigadores, devolverem o dinheiro da corrupção e pagarem multas, mas os promotores pediram para que parem as negociações até que concluam a maior investigação de corrupção do Brasil.

"Temos vários acordos de leniência parados aqui por causa das negociações do Ministério Público Federal (MPF), para não atrapalhar a Lava Jato. Eles nos pediram para parar para não prejudicar o trabalho lá em Curitiba", disse Jardim em uma entrevista na terça-feira.

"A prioridade é concluir o trabalho da Lava Jato."

As empresas listadas empregam 90 mil engenheiros e técnicos, e têm contratos com centenas de fornecedores. O governo quer suspender os bloqueios, que deixaram dezenas de milhares de pessoas sem trabalho e afetaram o Produto Interno Bruto (PIB) durante a pior recessão do país desde os anos 1930.

A operação Lava Jato, comandada por uma força-tarefa sediada em Curitiba, levou à prisão ou aos tribunais dezenas de políticos e executivos de algumas das maiores empreiteiras do Brasil, entre elas a Odebrecht, maior conglomerado de engenharia da América Latina – que, segundo relatos, está negociando um acordo de delação.

Até agora, das 15 empresas que procuraram negociar acordos, três empreiteiras foram banidas por ao menos doisanos depois de o governo rejeitar seus pedidos de leniência:Mendes Junior (MEND5.SA: Cotações), Iesa Óleo e Gás e a unidade brasileirada sueca Skanska AB (SKAb.ST: Cotações), a quinta maior construtora domundo.   Continuação...

 
Ministro da Transparência, Torquato Jardim, durante entrevista coletiva em Brasília
02/06/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino