Meirelles fará pronunciamento em rede nacional para defender PEC dos gastos

quarta-feira, 5 de outubro de 2016 20:30 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, vai fazer um pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão nesta quinta-feira, às 20h, para defender a Proposta de Emenda à Constituição(PEC) que cria um teto para o crescimento dos gastos da União, informaram à Reuters duas fontes do governamentais.

O pronunciamento de Meirelles foi acertado com o presidente da República, Michel Temer, como parte da estratégia do governo de tentar reverter a ideia de que a PEC pode reduzir os investimentos em saúde e educação.

Em sua fala, Meirelles vai abordar a necessidade de controlar o crescimento exponencial dos gastos federais, explicar que não haverá redução dos investimentos em saúde e educação e reforçar a necessidade de não se gastar mais do que arrecada - uma frase que o próprio Temer repetiu diversas vezes nos últimos dias.

Nesta quarta-feira, em entrevista a uma rádio na Bahia, Temer abordou o assunto. "As pessoas tentam divulgar a ideia de que quando você fala em teto de gastos, você está falando em teto de gastos para saúde, para educação, para a cultura, e não é isso não, é o teto geral. O teto geral é de X, você tira de um lugar e põe em outro, jamais será tirado da saúde e da educação", disse o presidente.

O governo faz uma ofensiva para tentar aprovar a PEC na próxima segunda-feira. Nos últimos dias, Temer fez diversas reuniões com líderes da base governista, em jantares no Palácio da Alvorada, reuniões no Palácio do Planalto e encontros na residência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Temer tem apelado para garantir o quórum no plenário da Câmara na próxima segunda-feira, quando normalmente a presença de deputados na Casa é baixo. Para tentar incentivar a presença de deputados em Brasília, o presidente marcou um jantar para toda a base aliada no Alvorada no domingo à noite.

(Por Lisandra Paraguassu, com reportagem adicional de Marcela Ayres)

 
Meirelles fala durante fórum em São Paulo. 30/9/2016.   REUTERS/Paulo Whitaker