ENTREVISTA-AGCO aposta que mudanças no Brasil e Argentina impulsionam investimentos

quarta-feira, 5 de outubro de 2016 20:37 BRT
 

Por Marcelo Teixeira

FOZ DO IGUAÇU (Reuters) - A AGCO Corporation, líder no segmento de máquinas agrícolas, acredita que mudanças políticas no Brasil e na Argentina podem desencadear renovados investimentos agrícolas nos dois maiores países da América do Sul e reviver o status da região como uma área de crescimento na produção.

Após ver suas vendas despencarem nos dois países produtores de grãos em meio a recessões profundas, a AGCO está apostando que a chegada de governos mais favoráveis a negócios vai impulsionar investimentos nas potências agrícolas, disse seu presidente à Reuters em entrevista.

No Brasil, maior exportador mundial de café, açúcar e soja, Michel Temer assumiu formalmente a presidência em agosto após Dilma Rousseff sofrer impeachment pelo Senado por acusações de romper regras orçamentárias, em meio à maior crise econômica em décadas.

Na Argentina, que também é um dos principais exportadores de soja e milho, o presidente Mauricio Macri está encaminhando o país para a centro-direita desde que assumiu o cargo em dezembro.

"Sim, estamos satisfeitos com as mudanças políticas", disse Martin Richenhagen à Reuters, paralelamente a uma reunião de quatro dias com líderes sul-americanos em Foz do Iguaçu, perto da fronteira entre a Argentina e o Paraguai.

"Quando o Brasil estiver de volta, vai ser um momento importante. Então, precisamos ter certeza que teremos capacidade para reagir rapidamente", disse o presidente da empresa.

Richenhagen disse que haviam sinais promissores na Argentina após Macri ter eliminado a maior parte dos impostos sobre exportações de alimentos e introduzido novas medidas de financiamento para produtores.

O executivo nascido na Alemanha havia chamado os impostos de exportação sobre bens agrícolas, introduzidos pelo governo anterior de Cristina Fernandez, uma "estupidez".   Continuação...