Lucro da Delta supera previsões e empresa planeja limitar capacidade de voo

quinta-feira, 13 de outubro de 2016 19:32 BRT
 

Por Jeffrey Dastin

(Reuters) - A Delta Air Lines disse nesta quinta-feira que vai acrescentar menos assentos em voos no início de 2017 para sustentar as tarifas, reagindo a uma enxurrada de voos de rivais que está reduzindo suas margens de lucro.

A Delta, segunda maior empresa do mundo em tráfego de passageiros após a American Airlines, disse que o lucro caiu cerca de 4 por cento, para 1,3 bilhão de dólares, no terceiro trimestre. No entanto, superou as estimativas de analistas de lucro por ação em base ajustada, de acordo com a ThomsonReuters I/B/E/S.

Embora a queda dos custos dos combustíveis tenha levado a um aumento dos lucros das empresas aéreas desde 2014, os preços do petróleo atingiram um platô e não são mais uma força para melhorar os resultados do setor.

A questão agora é a menor receita. As companhias de baixo custo, como a Norwegian Air Shuttle ASA estão enfrentando as companhias aéreas maiores ao longo com um número fixo de passageiros e cobrando menos por bilhete.

A Delta disse que espera que sua margem de lucros operacionais, excluindo itens, encolha entre 14 por cento e 16 por cento no quarto trimestre, ante 17,1 por cento um ano antes. Se os pilotos aprovarem um contrato negociado pelo sindicato, analistas dizem que a margem será ainda menor.

Além disso, o terceiro trimestre teve "o ambiente de receitas mais fraco na memória recente", disse o presidente-executivo da companhia, Ed Bastian, em uma teleconferência com analista.

Vôos transatlânticos geraram menos do que o esperado porque os ataques na Europa desanimaram os turistas, disse o presidente da Delta, Glen Hauenstein.

A Norwegian também começou a voar de Nova Iorque para Paris, uma cidade central para a Air France KLM SA, parceira da Delta, aumentando a concorrência por clientes sensíveis ao preço.   Continuação...

 
Airbus A330 da  Delta Air Lines Airbus decola do aeroporto Charles de Gaulle em Roissy, França 
09/08/2016 REUTERS/Jacky Naegelen