Lucro do Goldman Sachs salta com negociações de bônus e redução de custos

terça-feira, 18 de outubro de 2016 14:24 BRST
 

Por Olivia Oran e Sruthi Shankar

(Reuters) - O lucro do Goldman Sachs saltou 58 por cento no terceiro trimestre, com a negociação de títulos se recuperando e o banco conseguindo manter controle sobre as despesas.

O Goldman obteve quase 2 bilhões de dólares em receitas com negociação em renda fixa, moedas e commodities, que lideraram as receitas, divulgou o banco nesta terça-feira.

A forte atividade de emissão de títulos e o melhor ambiente nos mercados de crédito e de hipotecas ajudaram as receitas, disse o diretor financeiro, Harvey Schwartz, a analistas. Mas ele observou que o negócio também se beneficiou da fraca base de comparação da mesma etapa do ano anterior.

Quinto maior banco EUA em ativos, o Goldman historicamente tem sido mais dependente de negociação de títulos do que seus rivais. Isso ajudou o banco a ter grandes lucros até a crise financeira 2007-09, mas as regras de reforma financeira impostas desde então têm dificultado o negócio.

Em um esforço para sustentar os lucros, Goldman lançou um programa de eficiência no início do ano, com o objetivo de reduzir as despesas anuais em 700 milhões de dólares.

Esse programa se refletiu nos resultados do terceiro trimestre, com despesas operacionais subindo apenas 10 por cento, ante alta de 19 por cento na receita líquida. O número de empregados caiu 5 por cento na comparação anual.

No geral, Goldman gerou 2,1 bilhões de dólares em lucro líquido para os acionistas, aumento de 58 por cento sobre um ano antes. Foi a segunda alta após quatro trimestres de declínio.

O lucro por ação subiu de 2,90 para 4,88 dólares, em parte porque o Goldman recomprou aproximadamente 22 milhões das próprias ações. Analistas em média previam lucro de 3,82 dólares por ação, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.   Continuação...