Populismo nos EUA e Europa ameaça mercados emergentes, diz autoridade do Banco Mundial

quarta-feira, 19 de outubro de 2016 10:04 BRST
 

(Reuters) - A maior ameaça para o crescimento dos mercados emergentes nos próximos anos pode vir do aumento do populismo e do isolacionismo em países desenvolvidos, disse o diretor do departamento de aconselhamento financeiro e bancário do Banco Mundial, Axel Peuker.

Se tal sentimento continuar a se proliferar nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares, terá um impacto negativo nos mecanismos comerciais e de transmissão em economias de mercado emergentes, muitas das quais são fortemente dependentes das exportações, disse Peuker.

Como líderes políticos do mercado desenvolvido se afastam da globalização, isso poderia catalisar sentimentos semelhantes de líderes políticos dos mercados emergentes, afirmou ele, agravando a pobreza e a desigualdade de renda.

"Que modelos você vai encontrar nos mercados desenvolvidos com o populismo tornando-se mais popular?", disse Peuker durante um fórum global de renda fixa patrocinado pela agência de classificação Standard & Poor's.

O crescimento do isolacionismo tornou-se um acontecimento preocupante para alguns analistas de mercado e economistas após a decisão britânica de sair da União Europeia. A crescente popularidade dos candidatos isolacionistas na Alemanha e em outros países europeus e as ameaças do candidato presidencial republicano dos EUA Donald Trump de desfazer acordos comerciais com o México e impor tarifas comerciais com a China alimentam temores.

(Por Dion Rabouin)