Preço spot da energia subiria 40% com mudanças em estudo no governo, diz Safira

quinta-feira, 20 de outubro de 2016 15:47 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O preço da energia elétrica no mercado spot, ou Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), poderia saltar 40 por cento se fossem aplicadas imediatamente duas mudanças na fórmula de cálculo das cotações sugeridas pelo governo, aponta simulação realizada pela consultoria Safira Energia a pedido da Reuters.

O Ministério de Minas e Energia informou na quarta-feira que irá propor novos valores para o custo de déficit utilizado no cálculo do PLD, o que entraria em vigor em janeiro; também deverão mudar os parâmetros que definem a aversão a risco na definição dos preços, a partir de maio.

Segundo a Safira, o novo valor de custo de déficit, se aplicado de imediato, levaria o PLD deste mês, que está próximo de 200 reais por megawatt-hora, para cerca de 210 reais por megawatt-hora.

Já a mudança na aversão a risco considerada no preço teria um impacto maior nas cotações, de até 70 reais por megawatt-hora.

Assim, se aplicadas de imediato as duas mudanças, o preço spot poderia subir para 280 reais por megawatt-hora.

O preço spot é utilizado no mercado de curto prazo de energia elétrica, mas influencia as cotações de contratos no mercado livre de eletricidade, onde geradores e comercializadores negociam contratos diretamente com grandes consumidores, como indústrias.

"O mercado ainda está em fase de maturação da informação e também realizando os primeiros testes. Com a confirmação dos testes, a tendência é de elevação dos preços de longo prazo", disse o gerente de comercialização da Safira, Márcio Davanzo.

Segundo a consultoria Dcide, os contratos de longo prazo no mercado livre para energia convencional têm sido negociados a 154 reais por megawatt-hora.

Em janeiro, esses contratos eram negociados a 138 reais, e em fevereiro chegaram a um mínimo de 120 reais. A partir de abril, as cotações passaram a subir conforme o governo passou a falar que mudaria as fórmulas de cálculo do PLD a partir de 2017.

(Por Luciano Costa)