Eldorado Brasil tem recorde de produção, mas queda de preços da celulose pressiona lucro

quinta-feira, 20 de outubro de 2016 21:01 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Eldorado Brasil teve forte queda no lucro do terceiro trimestre, apesar de um recorde de produção no período, pressionada pela queda nos preços da celulose em dólares, combinada com a valorização do real.

A companhia, uma das maiores produtoras brasileiras de celulose e primeira do setor a divulgar balanço trimestral, teve lucro líquido de 11 milhões de reais no período, ante resultado positivo um ano antes de 334 milhões.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de 324 milhões de reais, queda de cerca de 43 por cento na comparação anual. A margem recuou de 62 para 50 por cento.

"Todo o impacto negativo no Ebitda e lucro veio basicamente do impacto de preços menores (da celulose) em dólares e valorização do real (sobre o mesmo período de 2015)", afirmou o presidente-executivo da Eldorado, José Carlos Grubisich. Ele acrescentou que de julho a setembro os dois efeitos produziram uma queda de preço na celulose em reais de 30 por cento sobre o terceiro trimestre de 2015.

Segundo o executivo, apesar da queda no Ebitda, a empresa mantém tendência de melhora da rentabilidade diante do encurtamento do raio de oferta de madeira, conforme usa cada vez mais madeira plantada a menos de 100 quilômetros da fábrica instalada em Três Lagoas (MS). Esse ganho de produtividade deve seguir até 2018, disse Grubisich acrescentando que o custo-caixa de madeira vai cair de 90 a 100 reais por tonelada até 2018.

A produção do trimestre somou 432 mil toneladas de celulose, alta de 6 por cento sobre um ano anos. O volume de vendas foi de 409 mil toneladas, praticamente estável na mesma comparação, mas a receita líquida recuou 28 por cento, a 652 milhões de reais.

PREÇOS

Grubisich afirmou que a Eldorado Celulose acompanhou o aumento de 20 dólares anunciado pela rival Fibria no final de setembro para a tonelada do insumo vendida para a Ásia. Mas ele comentou que as negociações com os principais clientes só devem ser concluídas na próxima semana.   Continuação...