24 de Outubro de 2016 / às 18:36 / 10 meses atrás

Maia defende PEC dos gastos e diz que é chance para reduzir carga tributária

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia. 12/07/2016Ueslei Marcelino

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender nesta segunda-feira a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos, e disse que o país deve aproveitar sua vigência para reduzir a carga tributária.

“Eu acredito que o Estado brasileiro não deveria representar a carga tributária de 35 por cento das nossas riquezas", disse para uma plateia de empresários em São Paulo. "A gente tem que trabalhar para no médio e longo prazo, no prazo da PEC, 20 anos, para a gente caminhar para que o Estado brasileiro represente no máximo 20 a 25 por cento das nossas riquezas."

Maia aproveitou para fazer um apelo por apoio ativo dos empresários à PEC dos gastos e outras reformas, e mostrou otimismo com a economia, dizendo que o próximo ano será melhor que este e projetou um crescimento econômico de 3 a 4 por cento em 2018.

Em sua apresentação, o presidente da Câmara disse ainda que é preciso enfrentar os problemas do país com coragem e acusou os governos do PT de enganarem os mais pobres, pela herança ruim deixada.

"Eu até estava em um almoço outro dia e uma pessoa falou: 'é, mas o governo do PT governou para os mais pobres'. E eu falei 'mas governou onde para os mais pobres? Enganou os mais pobres durante alguns anos, porque o que deixou de herança, né, não foi bom... se fosse feito uma política estrutural, nós não estaríamos na posição que nós estamos."

COMUNICAÇÃO DO GOVERNO

Questionado durante o evento sobre reportagem do fim de semana segundo a qual o Planalto estaria incomodado com suas gestões interinas nas viagens do presidente Michel Temer, Maia disse que quem deveria falar pelo governo era apenas o presidente ou seu porta-voz, e que quanto menos o Palácio falasse melhor seria para o Brasil.

Em entrevista coletiva após o evento, Maia procurou explicar sua declaração e aparar possíveis arestas com os ministros palacianos Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

“O que eu quero dizer é o seguinte: os ministros do Planalto mais o presidente, e essa é a preocupação dos três, que o Palácio tem que parar com esse negócio ‘que o Palácio do Planalto falou isso’, porque quem fala é o governo, os seus ministros e o seu porta-voz", disse. "Ou fala o Geddel, ou fala o Eliseu ou fala o porta-voz ou fala o presidente.”

Reportagem de Thaís Freitas

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below