Vale vê demanda por aço e queda na produção de minério da China compensando oferta em 2017

terça-feira, 25 de outubro de 2016 18:14 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A mineradora Vale prevê que a oferta transoceânica de minério de ferro deverá crescer aproximadamente 50 milhões de toneladas em 2017, o que deve significar um mercado global equilibrado, considerando uma queda projetada na produção da China e uma maior demanda por aço.

"Serão 18 milhões a mais (da Austrália), Brasil mais 28 milhões de toneladas (com o início do S11D, da Vale, e o aumento da produção da Anglo American), e Índia com mais 4 milhões...", disse a jornalistas o diretor de vendas e administração comercial de ferrosos da Vale para a América do Sul, Paulo Salles, após participar de evento no Rio de Janeiro.

Segundo ele, essa oferta adicional será compensada por uma redução da produção da China e por uma maior demanda por aço.

"Parte desse volume (adicional) virá (será compensado) com redução na oferta de minério chinês e maior demanda de aço de 12 milhões de toneladas", acrescentou.

O executivo ressaltou que em 2016 foram agregados ao mercado mais 100 milhões de toneladas de minério e ainda assim os preços ficaram estáveis em boa parte do ano, com algum impulso de demanda nas cotações no segundo semestre.

O minério de ferro para entrega imediata no porto chinês de Tianjin subiu 4,94 por cento nesta terça-feira, para 61,60 dólares por tonelada, após fortes ganhos nos contratos futuros de minério negociados na bolsa de Dalian. Foi o fechamento em nível mais alto desde 23 de agosto.

A ação preferencial da Vale, maior produtora global de minério de ferro, operava em forte alta de mais de 5 por cento nesta terça-feira, por volta das 17:15, em sessão em que atingiu o maior nível em 17 meses, na esteira dos preços do seu principal produto.

"A China este mês de setembro produziu 3,9 por cento mais aço que no mesmo período do ano passado... 68,2 milhões de toneladas de aço bruto. Essa demanda maior não era esperada", declarou o executivo, comentando a alta do preço.

  Continuação...

 
Em foto de arquivo, sede da Vale no centro do Rio de Janeiro, Brasil
20/08/2014 REUTERS/Pilar Olivares/File Photo