26 de Outubro de 2016 / às 19:17 / em um ano

Dólar sobe 1,15% e volta a se aproximar de R$3,15, com correções

Homem conta notas de dólar no Cairo, Egito 24/10/2016 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar terminou com alta superior a 1 por cento ante o real, num movimento de correção depois de dois dias de quedas terem levado a moeda norte-americana para o nível de 3,10 reais por conta de forte entrada de recursos externos. O cenário externo também influenciou o movimento no câmbio.

O dólar avançou 1,15 por cento, a 3,1423 reais na venda, depois de bater 3,1540 reais na máxima do dia e 3,1150 reais na mínima. O dólar futuro avançava 0,82 por cento, no final desta tarde.

“O preço do dólar estava num nível atrativo e chamou compras. Até porque a virada do mês está próxima e o fluxo pode diminuir”, comentou o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Na terça-feira, a moeda norte-americana cedeu 0,46 por cento, a 3,1065 reais, e terminou no menor nível desde 2 de julho de 2015, queda mais contida do que a perda de 1,26 por cento vista na sessão anterior.

“O Banco Central informou que não pretende rolar integralmente o swap de novembro. Isso conteve o recuo do dólar na véspera, com o mercado vendo um sinal de que o nível confortável da autoridade estaria ao redor de 3,10 reais”, comentou mais cedo o diretor da mesa de câmbio da corretora Multi-Money, Durval Correa.

Na noite de segunda-feira, o BC informou que não anularia integralmente os swaps tradicionais --equivalente à venda futura de dólares-- com vencimento em 1º de novembro diante do forte fluxo positivo esperado com a regularização de recursos brasileiros no exterior, cujo prazo termina em 31 de outubro.

O BC vendeu nesta manhã integralmente os 5 mil contratos de swap cambial reverso, equivalente à compra futura de dólares e que tem sido usado para reduzir o estoque de swap tradicional. Do total, nenhum contrato para 1º de novembro foi vendido.

O mercado tinha expectativa de que o ingresso de fluxo de recursos poderia inverter a trajetória da moeda ao longo do dia, mas não foi o que aconteceu. O movimento comprador falou mais alto sessão e acabou ofuscando a entrada de recursos externos.

Na véspera, o BC informou que houve entrada líquida de quase 1,6 bilhão de dólares na conta financeira ---por onde passam investimentos diretos, em portfólio e outros-- só nos últimos três dias até o dia 21 passado por conta do programa de regularização. No mês, o fluxo cambial total estava positivo em 2,531 bilhões de dólares.

O exterior também ajudou na alta do dólar frente ao real neste pregão. A moeda norte-americana subia frente a outras divisas emergentes, como o rand sul-africano, o peso mexicano e a lira turca.

Os investidores estavam à espera de definições da política monetária e eleições nos Estados Unidos. O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, reúne-se nos próximos dias 1º e 2 de novembro, embora o mercado aposte que a elevação da taxa básica do país deverá acontecer apenas em dezembro. No dia 8 do mesmo mês, acontece a eleição presidencial do país.

Edição de Patrícia Duarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below