Itaú deve piorar expectativa de contração do PIB do Brasil em 2016 para 3,5%

quinta-feira, 27 de outubro de 2016 17:33 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú deve piorar a projeção de contração do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano para 3,5 por cento, ante queda de 3,2 por cento, afirmou nesta quinta-feira o economista-chefe do banco, Mário Mesquita.

"Os dados de setembro não foram tão bons como o esperado", afirmou Mesquita, que assumiu o cargo de economista-chefe com a saída de Ilan Goldfajn para a presidência do Banco Central.

Oficialmente, o número do Itaú para 2016 só deverá ser revisado quando o IBGE divulgar os dados do terceiro trimestre, em novembro.

A estimativa atual do banco é de que a economia brasileira contraiu 0,5 por cento no terceiro trimestre ante o segundo.

Para 2017, o Itaú projeta um avanço do PIB de 2 por cento, uma das previsões mais otimistas no mercado.

Segundo o banco, deve haver uma retomada do investimento no ano que vem por três razões --recuperação dos preços das exportações, queda dos juros e desalavancagem das empresas. A estimativa do banco para a taxa básica de juros Selic, atualmente em 14 por cento, é de que chegue a 10 por cento no fim de 2017.

Em 2018, o Itaú projeta um avanço de 4 por cento para o PIB. "Mesmo crescendo 2 por cento (em 2017) e 4 por cento (em 2018), estaremos longe do pico do produto", diz Mesquita. Segundo o banco, o pico do PIB brasileiro foi alcançado no primeiro trimestre de 2014, nível que só deve ser alcançado novamente em 2019.

REGULARIZAÇÃO   Continuação...

 
Em foto de arquivo, pessoas entram em agência do Itaú no Rio de Janeiro
29/01/2014 REUTERS/Sergio Moraes