Dólar sobe ante o real após PIB dos EUA alimentar expectativa de juros maiores

sexta-feira, 28 de outubro de 2016 13:09 BRST
 

Por Claudia violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar operava em alta ante o real nesta sexta-feira após a divulgação de que a economia dos Estados Unidos cresceu mais do que o esperado no terceiro trimestre, ampliando as apostas de aumento dos juros por parte do Federal Reserve, banco central do país.

Às 11:59, o dólar avançava 0,79 por cento, a 3,1805 reais na venda, depois de bater 3,1993 reais na máxima do dia. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,15 por cento.

"O dólar deu uma puxada logo após a divulgação dos números, mas depois se acomodou com uma alta um pouco menor", comentou um operador da mesa de câmbio de uma corretora nacional.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anual de 2,9 por cento no trimestre passado, melhor que a previsão de alta de 2,5 por cento em pesquisa Reuters.

Logo após a abertura dos números, os juros futuros dos Estados Unidos passaram a precificar chances de 83 por cento de o Fed elevar a taxa de juros na reunião de 13 e 14 de dezembro, acima das apostas de 78 por cento na véspera, de acordo com o programa FedWatch do CME Group.

Juros mais altos nos EUA têm potencial para atrair recursos hoje aplicados em outros mercados, como o brasileiro.

O mercado também já começava a se posicionar para o encontro do Fed na próxima semana, para o qual não se espera mudança na atual política de juros, e para as eleições presidenciais de 8 de novembro nos Estados Unidos. Ambos os eventos podem deixar os investidores mais na defensiva nas próximas sessões.

A alta do dólar nesta sessão também vinha com a briga pela formação da Ptax --taxa mensal que serve de referência para diversos contratos cambiais-- no final do mês e a avaliação de alguns profissionais de que o fluxo de regularização de recursos de brasileiros no exterior estaria se esgotando.   Continuação...

 
Notas de real e dólar vistas em casa de câmbio no Rio de Janeiro.     10/09/2015        REUTERS/Ricardo Moraes