Tajiquistão começa a construir maior barragem do mundo para usina hidrelétrica

sábado, 29 de outubro de 2016 17:23 BRST
 

DUSHANBE (Reuters) - O Tajiquistão desviou neste sábado o curso de um grande rio para começar a construir a maior barragem do mundo, elemento chave da hidrelétrica de Rogun, um projeto de 3,9 bilhões de dólares que o governo espera que assegurará independência energética. 

A nação da Ásia Central que faz fronteira com o Afeganistão não tem fontes suficientes de hidrocarboneto e depende muito da força hidrelétrica, apesar de vizinhos rio abaixo reclamarem que o projeto irá afetar a agricultura.

O gabinete do presidente Imomali Rakhmon disse, em um comunicado, que ele compareceu à cerimônia deste sábado na qual explosivos foram usados para bloquear o principal leito do rio Vakhsh, pavimentando o caminho para a construção da barragem de 335 metros, para a qual o grupo italiano Salini Impregilo ganhou este ano o contrato de 3,9 bilhões de dólares.

O Uzbequistão, outra ex-república soviética e a nação mais populosa da Ásia Central, com 30 milhões de pessoas, pediu repetidas vezes que o Tajiquistão não construísse Rogun. Para dar energia à hidrelétrica, o Tajiquistão precisa acumular água durante o verão - quando ela é necessária rio abaixo para irrigação - e, então, liberá-la no inverno, causando enchentes durante a primavera.

Refletindo o precário estado da infraestrutura energética do Tajiquistão, quase toda construída na era soviética, um problema de funcionamento na maior usina do país, Nurek, deixou o país em completa escuridão durante horas na noite de sexta-feira.

Em um discurso transmitido pela televisão estatal neste sábado, Rakhmon disse que aprimorar a hidrelétrica de Nurek custaria 700 milhões de dólares. A nova hidrelétrica, Rogun, começará a fornecer energia elétrica no final de 2018, disse Rakhmon. 

(Por Nazarali Pirnazarov)