Sócio da JBS, Joesley admite pagamentos indevidos a agentes públicos

quinta-feira, 18 de maio de 2017 20:52 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O empresário Joesley Batista, que teve o áudio de uma conversa dele com presidente Michel Temer divulgada nesta quinta-feira, admitiu em nota que fez pagamentos indevidos a agentes públicos para obter vantagens para a holding J&F, dona da JBS (JBSS3.SA: Cotações).

"Não honramos nossos valores quando tivemos que interagir, em diversos momentos, com o poder público brasileiro. E não nos orgulhamos disso", diz trecho do comunicado.

"...quando deparados com um sistema brasileiro que muitas vezes cria dificuldades para vender facilidades, nos levaram a optar por pagamentos indevidos a agentes públicos", afirma outro trecho do documento.

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou abertura de inquérito contra Temer em consequência da denúncia de que teria dado aval ao empresário Joesley Batista para manter pagamentos ao ex-deputado Eduardo Cunha em troca de silêncio sobre denúncias contra o governo.

Em pronunciamento no Palácio do Planalto, Temer afirmou que nunca autorizou o pagamento pelo silêncio de alguém e negou que tenha permitido o uso de seu nome indevidamente.

(Por Aluisio Alves)

 
Unidade da JBS após operação da Polícia Federal em Brasília, no Brasil
17/03/2017
REUTERS/Ueslei Marcelino