Ibovespa sobe 1,7% com ajuste após maior queda em quase 9 anos; tensão política permanece

sexta-feira, 19 de maio de 2017 19:46 BRT
 

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa subiu nesta sexta-feira, recuperando-se de parte da derrocada da véspera, com o mercado ainda cauteloso à espera de desdobramentos de divulgação de gravações de conversa do presidente Michel Temer com Joesley Batista, da JBS.

O Ibovespa subiu 1,69 por cento, a 62.639 pontos, mas acumulou baixa de 8,18 por cento na semana, após desabar 8,8 por cento na véspera, maior perda diária desde outubro de 2008. O giro financeiro do pregão somou 13,56 bilhões de reais.

Para operadores, o áudio da conversa entre Joesley e Temer não foi comprometedor o bastante para justificar a continuidade da sangria dos mercados de quinta-feira. A cautela, porém, permanece diante de informações que continuam surgindo. Temer será investigado por corrupção passiva e obstrução da Justiça, em inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal.

"Teve alguma recuperação depois dos movimentos de ontem, mas essa recuperação não vai ser rápida e a gente está vendo uma mudança no patamar de precificação dos ativos", disse o economista da corretora Guide Investimentos Ignacio Crespo Rey.

Segundo o economista, as incertezas políticas devem voltar a pressionar o Ibovespa nos próximos pregões, com possibilidade de o índice voltar ao patamar entre 55 mil e 60 mil pontos.

A atenção do mercado se volta para a governabilidade de Temer e os impactos sobre as reformas, principalmente a da previdência. Antes do mais recente escândalo, o otimismo quanto ao andamento dessas medidas no Congresso Nacional vinham amparando o tom otimista na bolsa paulista.

"Os danos com os acontecimentos fazem todos perderem", disse o gestor de mesa de operações na corretora Coinvalores, Marco Tulli Siqueira.

  Continuação...

 
Telão eletrônico na Bovespa, no centro de São Paulo
09/05/2016
REUTERS/Paulo Whitaker