Economia vai crescer mais de 4% no 4o tri de 2012--diretor do BC

segunda-feira, 19 de novembro de 2012 13:09 BRST
 

MUMBAI, 19 Nov (Reuters) - A economia brasileira vai crescer mais de 4 por cento no quatro trimestre de 2012 na comparação com o mesmo período do ano passado, afirmou o diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Luiz Awazu Pereira da Silva, nesta segunda-feira.

O diretor enfatizou estar confiante no ritmo de recuperação da atividade econômica. A previsão de Awazu está em linha com as estimativas do Banco Central, que vêm sendo questionadas por economistas após resultados econômicos ruins.

"Após crescer 2,7 por cento em 2011, a economia vai se expandir mais de 4 por cento" no quatro trimestre do ano, afirmou em discurso, referindo-se à trajetória do Produto Interno Bruto (PIB). Awazu discursou em um seminário sobre fluxo de capital em Mumbai organizado pelo banco central da Índia e o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB, na sigla em inglês).

Em evento em Brasília, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou, por sua vez, que o PIB crescerá cerca de 1 por cento no quarto trimestre ante o terceiro, com ajuste sazonal.

Segundo ele, o foco da política econômica será o de sustentar a expansão da atividade em um ritmo entre 4 e 5 por cento em 2013.

A queda na atividade econômica e a contração na produção industrial em setembro elevam temores de que a recuperação da economia ainda esteja fraca, com a atividade praticamente estagnada há mais de um ano.

Segundo pesquisa Focus do BC divulgada nesta segunda-feira, analistas veem que a expansão do PIB neste ano deve atingir apenas 1,54 por cento, em estimativa inalterada em relação à da semana anterior. Para 2013, a perspectiva também foi mantida, em 4 por cento.

A economia brasileira tem apresentado alguns sinais de retomada no terceiro trimestre após um ano de estímulos monetários e fiscais para acelerar a atividade.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduziu a taxa básica de juros, a Selic, em 5,25 pontos percentuais, para 7,25 por cento ao ano. A expectativa é de que a taxa seja mantida na reunião da semana que vem.

O BC projetou em setembro que a economia crescerá 1,6 por cento este ano.