Dólar avança 0,33% sob pressão de fechamento da Ptax do mês

quinta-feira, 29 de novembro de 2012 18:33 BRST
 

Por Danielle Fonseca

SÃO PAULO, 29 Nov (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta quinta-feira pela segunda sessão consecutiva, em uma tentativa dos investidores de elevar a Ptax de novembro -- uma taxa média da moeda norte-americana que será calculada pelo Banco Central na sexta-feira.

O dólar subiu 0,33 por cento, para 2,0970 reais na venda. Durante o dia, registrou a máxima de 2,1115 reais, quando subiu 1,02 por cento, e a mínima de 2,0884 reais. O volume negociado na BM&F foi de 1,650 bilhão de dólares.

Parte do mercado também procurou testar a disposição do BC de defender o suposto teto de 2,10 reais para o dólar. A autoridade monetária, no entanto, não se manifestou e a moeda norte-americana voltou a reduzir os ganhos à tarde.

"Há a formação da Ptax amanhã e, com essa puxada do dólar hoje, o mercado já deve conseguir uma Ptax acima de 2,09 reais. É normal que ocorra esse ajuste do mercado no final do mês, antes da Ptax", disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora Reginaldo Galhardo.

A Ptax final de novembro será fechada por volta das 13h de sexta-feira. A taxa do último dia do mês é usada como referência para várias operações, como pagamento de exportações e empréstimos em dólar. O interesse das diversas partes envolvidas geralmente provoca maior volatilidade perto de fechamento da taxa, uma vez que agentes do mercado buscam uma cotação mais favorável para seus negócios.

Alguns operadores especulavam que o BC poderia segurar a alta da moeda com um leilão de swap cambial tradicional --equivalentes a uma venda de dólares no mercado futuro --, da mesma forma que fez na semana passada.

A ausência da autoridade monetária do mercado, mesmo com a moeda tendo ultrapassado o nível de 2,10 reais ao longo da sessão, levou alguns investidores a interpretar que o teto da banda informal de 2,0-2,10 reais está sendo deslocado para cima.

"É a prova de que já houve um deslocamento do teto. Para o governo, quanto mais alto o dólar melhor também", acredita Galhardo.   Continuação...