Apesar de crise econômica, emissão de CO2 sobe 2,6% em 2012, diz estudo

domingo, 2 de dezembro de 2012 17:33 BRST
 

Por David Fogarty

CINGAPURA, 2 Dez (Reuters) - As emissões de dióxido de carbono provenientes da indústria subiram estimados 2,6 por cento em meio à crise econômica global, segundo o Projeto Carbono Global.

O aumento foi influenciado pelo crescimento rápido das emissões na China e na Índia, o que pode intensificar a urgência de um acordo na reunião do clima das Nações Unidas em Doha.

Segundo o estudo, um relatório anual sobre a poluição de CO2 da humanidade, as emissões cresceram 3,1 por cento em 2011, colocando o mundo em um caminho quase certo para mudanças perigosas do clima, como ondas de calor, secas e tempestades.

Cerca de 200 países participam das negociações em Doha, no Catar, até 7 de dezembro, que têm como objetivo estimular a ambição na luta contra as alterações climáticas para limitar o aquecimento a menos de 2 graus Celsius, uma meta que as nações concordaram em 2010. As temperaturas já subiram 0,8 graus Celsius desde a era pré-industrial.

"Eu estou preocupado que os riscos das alterações climáticas perigosas estão muito altos em nossa trajetória de emissões atual. Precisamos de um plano radical", disse a co-autora do levantamento, Corinne Le Quéré, diretora do Centro Tyndall de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas da Grã-Bretanha e professora da Universidade de East Anglia.

O total de emissões para 2012 é estimado em 35,6 bilhões de toneladas, segundo os pesquisadores no estudo, publicado pela revista Nature Climate Change.

O crescimento das emissões atual está colocando o mundo em um caminho para aquecer entre 4 graus e 6 graus Celsius, diz o estudo, com as emissões globais saltando 58 por cento entre 1990 e este ano. O estudo se concentra nas emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis e da produção de cimento.

Alguns países em desenvolvimento estão alimentando o crescimento das emissões, diz o estudo, apesar de a crise econômica global gerar planos de longo prazo de estímulo verde para China, Índia, Estados Unidos e outros países para tentar reduzir a emissão de CO2.   Continuação...