Wall St. recua após fracos dados industriais domésticos

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 20:17 BRST
 

Por Ryan Vlastelica

NOVA YORK, 3 Dez (Reuters) - As ações norte-americanas não foram capazes de ampliar os ganhos da semana anterior e fecharam em baixa nesta segunda-feira, com dados decepcionantes sobre a indústria norte-americana ofuscando otimismo sobre o crescimento econômico chinês.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,46 por cento, para 12.965 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 0,47 por cento, para 1.409 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,27 por cento, para 3.002 pontos.

Os declínios interromperam uma sequência de três pregões consecutivos de ganhos para o S&P 500, que deixou o índice perto de sua média móvel de cerca de 1.420 pontos. O S&P 500 tem oscilado abaixo desse nível, que agora é encarado por investidores como um importante ponto de resistência, desde 22 de outubro.

A atividade manufatureira registrou uma surpreendente contração em novembro, informou o Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês), atingindo seu menor nível em mais de três anos. Dados econômicos têm sido mistos nos últimos meses, incentivando temores sobre o ritmo de crescimento num momento em que investidores já se preocupam com a questão do "abismo fiscal" em Washington.

O índice ISM "ficou abaixo das expectativas que já eram conservadoras, e isso coloca um ponto de exclamação nos temores que muitos de nós temos sobre o impacto do abismo na economia", disse o vice-presidente de Investimentos do BNY Mellon Wealth Management em nova York, Leo Grohowski.

Os mercados abriram em alta, já que a produção das fábricas chinesas cresceu em novembro pela primeira vez em mais de um ano, mostraram dados. Investidores atentam para força na China, segunda maior economia do mundo, para compensar o fraco crescimento nos Estados Unidos e na Europa.

Ainda assim, o abismo fiscal permanece sendo o foco principal dos investidores, com contínuas disputas políticas sobre como lidar com os grandes cortes de gastos e aumentos de impostos automáticos que passam a valer no ano que vem. Investidores temem que a combinação de gastos reduzidos e impostos mais altos pode derrubar a economia do país para uma nova recessão.

Embora esteja longe de suas altas do ano, o S&P 500 ainda acumulou ganho de 12,1 por cento no ano até agora.

(Reportagem adicional de Doris Frankel)