Cemig mantém plano de crescer após decisão sobre concessões

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012 17:18 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 5 Dez (Reuters) - A Cemig mantém a intenção de continuar aumentando sua participação no setor elétrico e não irá revisar suas projeções de resultados de curto prazo como consequência de decisões relacionadas às concessões que vencem entre 2015 e 2017.

"Não temos perspectivas de mudanças de guidances... As condições econômica e financeira da Cemig continuam fortes o suficiente para que a gente continue entregando o compromisso estabelecido com os acionistas no plano-diretor", disse o diretor de Finanças da estatal mineira, Luiz Fernando Rolla, em teleconferência nesta quarta-feira.

O executivo acrescentou que a Cemig vai desenvolver "de forma mais agressiva" a divisão de gás natural da empresa, que atua na exploração do combustível na bacia do São Francisco.

"Em dois a cinco anos, o setor de gás da Cemig vai ter um papel importantíssimo no nosso fluxo de caixa", disse Rolla, ao mencionar o interesse em usar o gás também para geração de eletricidade.

Já as projeções da Cemig para os próximos anos só deverão ser atualizadas em 2013, após concluído o processo de revisão tarifária do segmento de distribuição da empresa, que vai até abril. A Cemig faz a atualização de suas estimativas anualmente, em encontro com investidores.

O diretor financeiro acrescentou que a Cemig participará dos próximos leilões de transmissão e geração de energia. "Temos algumas oportunidades de aquisição na área de geração... Temos falado muito em hidrelétrica na parte do leilão, mas a Renova Energia vai participar também", disse, referindo-se à empresa de energia renovável do grupo que atua fortemente no segmento de energia eólica.

A Cemig renovou os contratos de concessão de transmissão com vencimento entre 2015 e 2017 na terça-feira, mas recusou a prorrogação dos contratos de 18 hidrelétricas.

"Os contratos que foram propostos, os valores, não nos permitiriam assumir a gestão por conta do risco ambiental e operacional", disse Rolla, sobre as usinas não renovadas.   Continuação...