Dow Jones e S&P 500 fecham em alta; Apple despenca

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012 20:14 BRST
 

Por Ryan Vlastelica

NOVA YORK, 5 Dez (Reuters) - Dois dos três principais índices acionários norte-americanos fecharam em alta nesta quarta-feira, em um pregão volátil, mesmo com a Apple, companhia mais valiosa dos Estados Unidos, sofrendo sua pior perda diária em quase quatro anos.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,64 por cento, para 13.034 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,16 por cento, para 1.409 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,77 por cento, para 2.973 pontos.

Em uma ocorrência pouco comum, a Apple foi responsável por toda a queda de 1,1 por cento do índice Nasdaq 100, enquanto o Dow Jones --que não inclui a Apple como componente-- teve seu melhor dia desde 28 de novembro.

A Apple caiu 6,4 por cento, para 538,79 dólares. O papel da companhia acumula perda de mais de 20 por cento frente a sua máxima histórica atingida no fim de setembro, colocando a ação em território de maior pessimismo entre os investidores.

Com a perda, a Apple abriu mão de quase 35 bilhões de dólares em valor de mercado, sua maior perda diária em todos os tempos nesse quesito. O valor de mercado da companhia passou a 506,85 bilhões de dólares.

"A movimentação de hoje se deve a pesos sobre os índices, com o Nasdaq fechando em baixa devido ao declínio da Apple", disse o vice-presidente de investimentos do Wilmington Trust en Atlanta, Rex Macey.

"O S&P 500 avançou porque a Apple não exerce um peso tão grande sobre esse índice, e o Dow teve valorização ainda maior porque ele não é influenciado de maneira alguma", acrescentou.

O mercado oscilou de forma instável nesta quarta-feira, com o S&P 500 passando a território negativo mas voltando depois a firmar-se no patamar de 1.400 pontos, visto como um importante suporte técnico nas últimas duas semanas.

Como pano de fundo às negociações, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse a líderes empresariais nesta quarta-feira que um acordo sobre o abismo fiscal --conjunto de aumentos de impostos e cortes de gastos automáticos-- é possível em cerca de uma semana se republicanos reconhecerem a necessidade de aumentar impostos para os norte-americanos mais ricos.

(Reportagem de Ryan Vlastelica)