Bombardier recebe pedidos da Delta e da China em revés para Embraer

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012 19:42 BRST
 

Por Brad Haynes e Karen Jacobs

6 Dez (Reuters) - A canadense Bombardier assegurou encomendas por jatos regionais estimadas em até 3,6 bilhões de dólares da Delta Air Lines e de um cliente não-revelado da China, recuperando terreno num segmento que vinha sendo dominado pela rival brasileira Embraer.

A Delta fez pedido firme por 40 aviões Bombardier CRJ900, com a opção de comprar mais 30 unidades, em um acordo de até 3,29 bilhões de dólares. No fim desta quinta-feira, a Bombardier informou que um cliente chinês fechou a compra de sete aeronaves CRJ700 por 330 milhões de dólares.

Juntas, as encomendas dão fôlego à divisão de aviões comerciais da Bombardier e ofuscam as esperanças de que a Embraer, que estava na disputa pelo contrato da Delta, possa manter o ritmo de produção estável no ano que vem.

As ações da Embraer na Bovespa chegaram a cair 7 por cento, mas fecharam o dia com baixa em torno de 3 por cento, enquanto as da Bombardier em Toronto ganharam 1,8 por cento.

A Bombardier vinha entregando cerca de metade dos jatos comerciais da Embraer nos últimos anos e perdendo muitas encomendas importantes disputadas com a fabricante brasileira, especialmente na China, onde a Embraer tem conseguido participação de cerca de 75 por cento no mercado de jatos de até 120 assentos.

Neste ano, contudo, a Bombardier conseguiu encomendas por mais de 90 jatos regionais --incluindo os anúncios desta quinta-feira --, comparado a 12 vendas líquidas (excluindo cancelamentos) da Embraer até o fim de setembro.

A encomenda da Delta marca o primeiro grande pedido de uma companhia aérea norte-americana no processo de renovação das frotas de aviões regionais nos Estados Unidos que deve ganhar força no ano que vem, incluindo possíveis compras de jatos por SkyWest e American Airlines, controlada pela AMR.

Sem novas encomendas na aviação comercial até o começo de 2013, o presidente-executivo da Embraer, Frederico Curado, disse no mês passado que a fabricante não seria capaz de manter estável a produção de E-Jets em 2013, com seu backlog nesse segmento no menor nível em seis anos.   Continuação...