Canadá assina com CNOOC e Petronas e recusa outras petrolíferas

sábado, 8 de dezembro de 2012 16:06 BRST
 

Por David Ljunggren e Charlie Zhu

OTTAWA/HONG KONG, 8 Dez (Reuters) - O Canadá aprovou a maior aquisição da China no exterior - de 15,1 bilhões de dólares da CNOOC (Corporação Nacional de Petróleo Offshore da China, na sigla em inglês) pela companhia de energia Nexen - depois que a gigante chinesa concordou com várias condições, mas estabeleceu um limite contra futuras aquisições de empresas estatais.

Defendendo enfaticamente um arcabouço rígido para investimentos estrangeiros, o primeiro-ministro Stephen Harper disse que o Canadá não cederá o controle das jazidas de petróleo do país - a terceira maior reserva comprovada de petróleo cru do mundo - a um governo estrangeiro.

A deliberação, ansiosamente aguardada por investidores e políticos, veio na esteira de meses de discussões acaloradas sobre quanto do setor energético canadense pode e deve ser absorvido por empresas de outras nações.

Ela também deu sinal verde para a aquisição menos polêmica da companhia de gás Progress Energy Resources por parte de outra estatal, a Petronas , da Malásia.

A oferta da CNOOC desencadeou uma discórdia explícita entre os legisladores do governista e centro-direitista Partido Conservador, muitos dos quais estavam especialmente apreensivos com a ideia de permitir à China obter controle das jazidas de petróleo.

O Canadá concordou com o acordo, mas não o fará da próxima vez.

"Para ser franco, os canadenses não passaram anos reduzindo a posse de setores da economia nas mãos de nosso governo para vê-los adquiridos e controlados por governos estrangeiros", disse Harper aos repórteres depois que Ottawa aceitou o acordo.

"O controle do desenvolvimento de jazidas de petróleo por parte de Estados estrangeiros chegou a um ponto no qual expandi-los não teria benefícios líquidos para o Canadá", acrescentou. Executivos de alto escalõa da CNOOC aprovaram a liberação canadense para o acordo.   Continuação...