Ritmo de negociações sobre "abismo fiscal" dos EUA acelera

terça-feira, 11 de dezembro de 2012 08:56 BRST
 

Por Richard Cowan

WASHINGTON, 11 Dez (Reuters) - A Casa Branca e o gabinete do presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, realizaram mais negociações na segunda-feira sobre como quebrar o impasse do "abismo fiscal", uma série de aumentos tributários e cortes orçamentários prevista para entrar em vigor no próximo mês.

Nenhum dos dois lados deu qualquer sinal público de que está pronto para ceder. Um assessor da liderança republicana na Câmara afirmou que "não há acordo ou qualquer coisa como isso" sobre uma resolução para as questões do abismo fiscal.

No Capitólio, entretanto, há indicações de que estão acontecendo preparações para uma rápida avaliação legislativa de um acordo, se ele for alcançado em breve.

O cenário mais discutido --que não é nada mais substancial do que isso-- mostra os democratas conseguindo os aumentos tributários que defendem sobre os mais ricos em troca de concessões significativas que ajudariam a reduzir os custos do Medicare, o programa de saúde do governo para os mais velhos.

No ano que vem democratas e republicanos vão também trabalhar juntos em uma reforma tributária abrangente com o objetivo de conseguir mais receitas para o governo, em parte eliminando algumas isenções fiscais.

Como as discussões sobre redução do déficit entre Boehner e o presidente Barack Obama mostraram em 2011, negociações que parecem promissoras em um dia podem desmoronar no outro.

E se Obama e Boehner concordarem com tal pacote, os dois terão que vender o plano a legisladores democratas e republicanos no Senado e na Câmara.

De acordo com um assessor democrata, ambos os lados também estão conversando sobre incluir um aumento na capacidade de empréstimo dos EUA.   Continuação...

 
Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, John Boehner, fala à imprensa em Washington, EUA. A Casa Branca e o gabinete do republicano Boehner realizaram mais negociações na segunda-feira sobre como quebrar o impasse do "abismo fiscal", uma série de aumentos tributários e cortes orçamentários prevista para entrar em vigor no próximo mês. 07/12/12 REUTERS/Yuri Gripas